sábado, novembro 18, 2017

Música para celebrar aniversariante de hoje!



Nota: o Google Doodle de hoje também celebra centésimo aniversário de Pedro Infante...!

James Coburn morreu há quinze anos

James Coburn (Laurel, 31 de agosto de 1928Los Angeles, 18 de novembro de 2002) foi um ator norte-americano famoso por interpretar papéis de duro no cinema e vencedor do Óscar de melhor ator secundário em 1998. Era neto de outro grande ator dos anos 40, também vencedor do Óscar, Charles Coburn.

Começando a carreira em séries da TV americana, especialmente westerns, tornou-se conhecido no começo dos anos 60 por seu trabalho nos filmes Sete Homens e um Destino e Fugindo do Inferno, nos quais tinha papel secundário "durão" entre tantos astros como Yul Brynner, Charles Bronson e Steve McQueen.
A sua fama mundial chegou em 1966 como Derek Flint, o super espião americano criado por Hollywood para concorrer com James Bond, que fez dois filmes de grande popularidade, Flint contra o Génio do Mal e Flint: Perigo Supremo, sendo o mais bem sucedido, em crítica e bilheteira, de todos os agentes que parodiavam 007 nos anos 60. Expert em Kung Fu (aprendido com Bruce Lee), o que lhe dava grande suavidade de movimentos e agilidade, Coburn encarnou com grande competência e carisma o agente secreto mulherengo, mestre em artes marciais, fluente em quarenta e sete idiomas, neurocirurgião, espadachim, físico nuclear, que vivia numa mansão com quatro lindas mulheres (uma alusão a Hugh Hefner, editor da revista Playboy) e divertiu legiões de fãs nas telas de todo o mundo, principalmente pelo tom de comédia e exagero maior que nos filmes de Bond, (na época, Sean Connery).
Após conseguir o status de superstar no cinema, Coburn, adepto do budismo e de um estilo de vida mais recatado e contemplativo, dedicou-se apenas a pequenos filmes independentes, o que o tirou do centro das atenções em Hollywood quase dez anos, devido ao fracasso destes filmes.
Foi graças a seu amigo, o diretor Sam Peckinpah (com quem trabalhara no western Major Dundee de 1965), que voltou às grandes produções no meio da década seguinte, com os filmes Pat Garret e Billy the Kid, com Kris Kristofferson, e Cruz de Ferro, um violento épico de guerra na frente russa da II Guerra Mundial.
Com um severo problema de artrite, pouco filmou nos anos 80, voltando a participar mais ativamente de filmes na década de 90, em Jovens Demais Para Morrer, Queima de Arquivo, O Professor Aloprado, Maverick, O Troco até ao Óscar de ator secundário em 1998 como um velho duro e cruel que abusava de seu filho (Nick Nolte) em Temporada de Caça.
James Coburn morreu repentinamente na sua casa em Beverly Hills a 18 de novembro de 2002, com 74 anos, devido a um ataque cardíaco fulminante enquanto ouvia rádio, deixando mulher, filho e uma enteada. Sepultado no Westwood Village Memorial Park Cemetery.


Marcel Proust morreu há 95 anos

Valentin Louis Georges Eugène Marcel Proust (Auteuil, 10 de julho de 1871 - Paris, 18 de novembro de 1922) foi um escritor francês, mais conhecido pela sua obra À la recherche du temps perdu (Em Busca do Tempo Perdido), que foi publicada em sete volumes, entre 1913 e 1927.

O ator Delroy Lindo faz hoje 65 anos

Delroy George Lindo (Eltham, Londres, 18 de novembro de 1952) é um ator e diretor anglo-americano. Delroy Lindo já foi nomeado para os prémios Tony e Screen Actors Guild e venceu um Satellite Award.

O guitarrista Kirk Hammett faz hoje 55 anos

Kirk Stuart Lee Hammett (São Francisco, Califórnia, 18 de novembro de 1962) é um guitarrista americano, conhecido principalmente pela sua carreira de longa data na banda de heavy metal Metallica. Foi o fundador e um dos guitarristas da banda de thrash metal Exodus, uma das bandas pioneiras no género, até ser convidado para substituir Dave Mustaine nos Metallica, em 1983. Em 2003, foi eleito pela revista Rolling Stone como o décimo primeiro melhor guitarrista de heavy metal do mundo. Em 2009, apareceu em quinto lugar no livro The 100 Greatest Metal Guitarists (Os 100 Maiores Guitarristas do Metal), de Joel McIver.


O inventor do daguerreótipo nasceu há 230 anos

Louis Jacques Mandé Daguerre (Cormeilles-en-Parisis, Val-d'Oise, 18 de novembro de 1787 - Bry-sur-Marne, 10 de julho de 1851) foi um pintor, cenógrafo, físico e inventor francês, tendo sido o autor, em 1835, da primeira patente para um processo fotográfico, o daguerreótipo.

Heliographie - a primeira fotografia

Compay Segundo nasceu há 110 anos

Compay Segundo, nome artístico de Máximo Francisco Repilado Muñoz Telles (Siboney, Santiago de Cuba, 18 de novembro de 1907 - Havana, 13 de julho de 2003) foi um cantor, guitarrista, clarinetista, tresero e compositor cubano.


Pedro Infante nasceu há cem anos

José Pedro Infante Cruz (Mazatlán, 18 de novembro de 1917 - Mérida, 15 de abril de 1957), mais conhecido como Pedro Infante, é talvez o mais famoso ator e cantor do chamado anos dourados do cinema mexicano e foi ídolo do povo mexicano, junto com Jorge Negrete e Javier Solís, que eram chamados de Tres Gallos Mexicanos (Os Três Galos Mexicanos). Nasceu em Mazatlán, Sinaloa, México e radicou-se em Guamúchil. Morreu a 15 de abril de 1957, em Mérida, Yucatán, num desastre aéreo durante um voo em que ele mesmo pilotava, a caminho da Cidade do México.
 
 

O físico Niels Bohr morreu há 55 anos

Niels Henrick David Bohr (Copenhaga, 7 de outubro de 1885 - Copenhaga, 18 de novembro de 1962) foi um físico dinamarquês cujos trabalhos contribuíram decisivamente para a compreensão da estrutura atômica e da física quântica.
Licenciou-se na sua cidade natal em 1911 e trabalhou com Joseph John Thomson e Ernest Rutherford na Inglaterra. Em 1913 conseguiu interpretar algumas das propriedades das séries espectrais do hidrogénio e a estrutura do sistema periódico dos elementos químicos. Formulou o princípio da correspondência e, em 1928, o da complementaridade. Estudou ainda o modelo nuclear da gota líquida, e antes da descoberta do plutónio, previu a propriedade da fissão nuclear, análoga à do U-235. Bohr recebeu o Nobel de Física em 1922.
A sua teoria para a explicação do modelo atômico proposto por Rutherford em 1911, levando em conta a teoria quântica (formulada por Max Planck em 1900), não foi levada a sério. Depois, no decorrer e depois da década de 20, vários físicos ajudaram a criar o modelo hoje existente. Entre estes físicos podem ser citados, entre outros, Albert Einstein, Louis de Broglie, Erwin Schrödinger, Werner Heisenberg e Wolfgang Pauli.

O rapper Fabolous faz hoje 40 anos

John David Jackson, ou também conhecido por Fabolous de Paula (Nova Iorque, 18 de novembro de 1977) é um rapper americano de origem dominicana que alcançou o sucesso com o single "Can't Deny It" juntamente com Nate Dogg, em 2001.

 

sexta-feira, novembro 17, 2017

O escultor Machado de Castro morreu há 195 anos

Joaquim Machado de Castro (Coimbra, 19 de junho de 1731 - Lisboa, 17 de novembro de 1822) foi um dos maiores e com mais renome escultores portugueses. Machado de Castro foi um dos escultores de maior influência na Europa do século XVIII e princípio do século XIX.
Para além da escultura, descrevia extensamente o seu trabalho, do qual se destaca, a extensa análise sobre a estátua de D. José I que se situa na Praça do Comércio em Lisboa, intitulada: Descrição analytica da execução da estátua equestre, Lisboa 1810.
A Descrição consiste no relato pormenorizado, feito ao estilo e à execução técnica, levada a cabo no que é considerado o seu melhor trabalho, a estátua equestre do Rei D. José I de Portugal datada de 1775, como parte da obra de reconstrução da cidade de Lisboa, seguindo os planos de Marquês de Pombal, logo após o Terramoto de 1755. As partes da construção estão detalhadas e ilustradas, incluindo variados planos e componentes utilizados para a sua execução.
Na introdução da sua obra Machado de Castro comenta outras estátuas equestres situadas em diversas praças europeias.


Martin Scorsese - 75 anos!

Martin Scorsese, de nome completo Martin Charles Scorsese, (Queens, Nova Iorque, 17 de novembro de 1942), é um premiado cineasta, produtor de cinema, roteirista e ator norte-americano.
É amplamente considerado como um dos maiores diretores de todos os tempos. Em 2007, venceu o Óscar de Melhor Diretor por The Departed. As suas obras mais conhecidas são: Taxi Driver, Raging Bull, Goodfellas, Casino, Gangs of New York, The Aviator, Shutter Island, The Departed, Hugo e The Wolf of Wall Street.

Kimya Dawson - 45 anos

Kimya Dawson (Bedford Hills, New York, 17 de novembro de 1972) é uma cantora e compositora norte-americana, mais conhecida como artista a solo e como parte do conjunto The Moldy Peaches. Em swahilli, "Kimya" significa "silêncio" ou "silencioso".

Carreira
Dawson começou com Adam Green nos The Moldy Peaches. Desde a paragem dos The Moldy Peaches em 2004, Dawson lançou uma sequência de álbuns lo-fi, feitos em casa, e entrou em turnê pela América do Norte e Europa.
Dawson mais recentemente lançou Alphabutt, um álbum de música infantil, em 9 de setembro de 2008. O álbum inclui "The Alphabutt Song", "Seven Hungry Tigers", "Little Monster Babies," "Wiggle My Tooth" e "Pee Pee in the Potty," e os colaboradores incluem o ex-guitarrista do Third Eye Blind, Kevin Cadogan, e alguns outros amigos músicos de Dawson e seus filhos. Ela também foi convidada para participar no programa de TV Vila Sésamo.
Para o grande público, Kimya Dawson é mais conhecida por ter contribuído para grande parte da banda sonora do filme "Juno", de 2007. No filme podem ouvir-se canções como "Tire Swing", "Loose Lips", ou "So Nice, So Smart", entre outras. "Anyone Else But You", a música que Ellen Page e Michael Cera cantam na última cena do filme, era originalmente uma gravação dos The Moldy Peaches, a banda anterior de Dawson.
 
 

O Palácio Nacional de Mafra foi iniciado há três séculos

O Convento/Palácio Nacional de Mafra localiza-se no concelho de Mafra, no distrito de Lisboa, em Portugal. A cerca de 25 quilómetros de Lisboa,  é composto por um palácio e mosteiro monumental, em estilo barroco, na vertente alemã. Foi iniciado em 1717 por iniciativa de El-Rei  D. João V de Portugal, em virtude de uma promessa que fizera se a Rainha Dª  Maria Ana de Áustria lhe desse descendência. Classificado como Monumento Nacional em 1910, foi um dos finalistas para uma das Sete Maravilhas de Portugal a 7 de julho de 2007.

Basílica
Destinado à Ordem de São Francisco, o Convento foi pensado inicialmente para 13 frades, mas o projeto foi sendo sucessivamente alargando para quarenta, oitenta e finalmente uma comunidade de trezentos religiosos e palácio real.
A direção da Real Obra foi entregue a João Frederico Ludovice, ourives e, mais tarde, engenheiro militar alemão, que estudara arquitetura em Itália.
Para os altares da Real Basílica, para as diversas capelas e áreas conventuais, como a portaria e o refeitório, D. João V encomendou uma coleção de pintura religiosa que se conta entre as mais significativas do século XVIII. Avultam, neste assinalável conjunto, obras dos pintores italianos Masucci, Giaquinto, Trevisani ou Battoni e de portugueses bolseiros em Roma como Vieira Lusitano e Inácio de Oliveira Bernardes.
A coleção de escultura compreende toda a estatuária da Basílica, encomenda joanina a grandes mestres italianos, entre os quais se contam Lironi, Monaldi, Bracci, Maini, Corsini, Rusconi e Ludovisi, constituindo a mais significativa colecção de escultura barroca italiana fora de Itália, a qual inclui ainda os seus estudos em terracota, bem como a produção da Escola de Escultura de Mafra, aqui criada no reinado de D. José I sob a direção do mestre italiano Alessandro Giusti, e por onde passaram importantes escultores como Machado de Castro. Possui, ainda, uma importante coleção de paramentos de encomenda real em Itália e em França.

Palácio
Há quem defenda que a obra se construiu por vias de uma promessa feita relativa a uma doença de que o rei padecia. O nascimento da princesa D.ª Maria Bárbara determinou o cumprimento da promessa. Este palácio e convento barroco domina a vila de Mafra. Foi classificado como Monumento Nacional em 1910 e passou a ser uma das Sete Maravilhas de Portugal a 7 de julho de 2007.
O trabalho começou a 17 de novembro de 1717 com um modesto projeto para abrigar 109 frades franciscanos, mas o ouro do Brasil começou a entrar nos cofres portugueses; D. João V e o seu arquiteto, Johann Friedrich Ludwig (Ludovice) (que estudara na Itália), iniciaram planos mais ambiciosos. Não se pouparam a despesas. A construção empregou 52 mil trabalhadores e o projeto final acabou por abrigar 330 frades, um palácio real e uma das mais belas bibliotecas da Europa, decorada com mármores preciosos, madeiras exóticas e incontáveis obras de arte. A basílica foi consagrada no 41º aniversário do rei, em 22 de outubro de 1730, calhado a um domingo, com festividades de nove dias.
O palácio era popular para os membros da família real, que gostavam de caçar na tapada. Hoje em dia decorre aqui um projeto para a preservação dos lobos ibéricos. As melhores mobílias e obras de arte foram levadas para o Brasil, para onde partiu a família real quando das invasões francesas, em 1807. O mosteiro foi abandonado em 1834, após a dissolução das ordens religiosas. Durante os últimos reinados da Dinastia de Bragança, o Palácio foi utilizado como residência de caça e dele saiu também em 5 de outubro de 1910 o último rei D. Manuel II para a praia da Ericeira, onde o seu iate real o conduziu para o exílio.
No palácio, pode-se visitar a farmácia, com belos potes para medicamentos e alguns instrumentos cirúrgicos, o hospital, com dezasseis cubículos privados de onde os pacientes podiam ver e ouvir missa na capela adjacente, sem saírem das suas camas. No andar de cima, as sumptuosas salas do palácio estendem-se a todo o comprimento da fachada ocidental, com os aposentos do rei numa extremidade e os da rainha na outra, a 232 metros de distância. Ao centro, a imponente fachada é valorizada pelas torres da basílica coberta com uma cúpula. O interior é forrado a mármore e equipado com seis órgãos do princípio do século XIX, com um repertório exclusivo que não pode ser tocado em mais nenhum local do mundo. O átrio da basílica é decorado por belas esculturas da Escola de Mafra, criada por D. José I em 1754, foram muitos os artistas portugueses e estrangeiros que aí estudaram sob a orientação do escultor italiano Alessandro Giusti. A sala de caça exibe troféus de caça e cabeças de javalis.

Carrilhões
O Palácio possui ainda dois carrilhões, mandados fabricar em Antuérpia e em Liège por D. João V, com um total de 98 sinos que pesam mais de 200 toneladas e constituem um dos maiores carrilhões históricos do mundo.
  
Biblioteca do Convento de Mafra
O maior tesouro de Mafra é a sua biblioteca, com chão em mármore, estantes em estilo rococó e uma coleção de mais de 36.000 livros com encadernações em couro gravadas a ouro, graças à acção da Ordem Franciscana, incluindo uma segunda edição de Os Lusíadas de Luís de Camões. Abrange áreas de estudo tão diversa como a medicina, farmácia, história, geografia e viagens, filosofia e teologia, direito canónico e direito civil, matemática, história natural, sermonária e literatura.
Situada ao fundo do segundo piso é a estrela do palácio, rivalizando em grandiosidade com a Biblioteca da Abadia de Melk, na Áustria. Construída por Manuel Caetano de Sousa, tem 88 metros de comprimento, 9,5 metros de largura e 13 metros de altura. O magnífico pavimento é revestido de mármore rosa, cinzento e branco. As estantes de madeira em estilo rococó, situadas em duas filas laterais e separadas por um varandim, contêm milhares de volumes encadernados em couro, testemunhando a extensão do conhecimento ocidental dos séculos XIV ao XIX. Entre eles, muitas jóias bibliográficas, como incunábulos. Estes volumes magníficos foram encadernados na oficina local, também por Manuel Caetano de Sousa.
A biblioteca de Mafra é também conhecida por acolher morcegos, que ajudam a preservar as obras. Os morcegos saem de noite de caixas que estão por baixo das estantes e, numa noite, cada morcego alimenta-se de cerca de 500 insetos, o equivalente a metade do seu peso.

Rodin morreu há um século

François-Auguste-René Rodin (Paris, 12 de novembro de 1840 - Meudon, 17 de novembro de 1917), mais conhecido como Auguste Rodin, foi um escultor francês. Apesar de ser geralmente considerado o pai da moderna escultura, não se propôs rebelar contra o passado. Foi educado tradicionalmente, teve o artesanato como abordagem ao seu trabalho e desejava o reconhecimento académico, embora ele nunca tenha sido aceite pela principal escola de arte de Paris.

Balzac, Paris
in Wikipédia 

O músico Max de Castro faz hoje 40 anos

Max de Castro (Rio de Janeiro, 17 de novembro de 1977) é um cantor, compositor, multi-instrumentista, produtor e arranjador brasileiro.

Biografia
Em 2000, lançou Samba Raro, produzido, arranjado, tocado e composto por ele. O álbum teve ótima receptividade de público, crítica e amigos músicos – Ed Motta classificou-o como trabalho de "génio", Nelson Motta disse que é um dos melhores discos já lançados e Lobão convidou-o para produzir a faixa "Decadence avec elegance". Max de Castro recebeu o prémio APCA - Associação Paulista de Críticos de Arte - de Revelação em 2000.
Em 2001, produziu faixas nos discos de Roberto Frejat, Paula Lima, Kid Abelha, Leandro Lehart,Tom Zé, além de remixes para Ed Motta, Fernanda Porto, Wax Poetic. O seu trabalho também teve boa repercussão internacional, principalmente nos Estados Unidos e Europa, onde passou a tocar regularmente. Em 2002, após lançar o seu segundo disco, Orchestra Klaxon, Max de Castro apareceu na capa da revista americana Time ao lado de Shakira e outros, numa reportagem especial sobre as novidades da música global.
Eleito pela APCA como o artista do ano de 2005, após o lançamento do seu terceiro álbum “Max De Castro”. No mesmo ano ainda colaborou com DJ Suv do aclamado grupo inglês Roni Size Reprazent, e lançou exclusivamente na Inglaterra um single com a música “Febrery. Na França lançou um EP com o DJ Kid Loco. Ao voltar mais uma vez à Europa estendeu a sua turné pela primeira vez a países do leste europeu como a Rússia e Ucrânia.
O seu último álbum, "Balanço das Horas", lançado em 2006, esteve novamente em várias listas como um dos melhores lançamentos daquele ano. música pop, samba, hip hop, jazz, post-rock, dub, soul music, funk batidas eletrónicas, efeitos e distorções estão no arsenal de Max. Com as mais variadas referências, o seu trabalho cresce a cada nova audição, requer atenção em cada detalhe, cada curva e cada acorde tem histórias acumuladas.
Em 2008, além de ter produzido o disco do seu irmão Wilson Simoninha, “Melhor”, dedicou-se também à direção e concepção de shows especiais como foi o caso de “As curvas da estrada de Santos-uma viagem pela obra de Roberto Carlos” que além dos arranjos e direção de Max contou com a participação de Zé Renato, Vania Abreu, Bruno Morais e Pedro Mariano. Também “Os Afrosambas”, um tributo ao álbum de Baden e Vinícius, tem a participação de Max que reinterpreta essas canções ao lado da cantora Fabiana Cozza.

 

Kat DeLuna - 30 anos

Kathleen Emperatriz DeLuna (Bronx, Nova Iorque, 26 de Novembro de 1987) é uma cantora americana de R&B e pop de origem Dominicana, mais conhecida como Kat DeLuna. Atualmente tem um contrato com a gravadora Universal Motown e é bastante conhecida pelo registo de soprano e por ter ganho um prémio Billboard Latin Music Awards com o seu primeiro single, "Whine Up".
 
 

quinta-feira, novembro 16, 2017

O biólogo marinho Luiz Saldanha morreu há vinte anos

(imagem daqui)


Biografia
Luiz Saldanha nasceu a 16 de dezembro de 1937 em Lisboa. Estudou no Liceu Francês de Lisboa (Lycée français Charles Lepierre) e veio a doutorar-se na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, com um trabalho sobre a fauna da costa da Serra da Arrábida. A partir de 1979 tornou-se professor dessa faculdade até à data do seu falecimento.
Desempenhou vários cargos de liderança institucional. Chegou a ser presidente do "Instituto Nacional de Investigação das Pescas" e do "Instituto do Mar". Foi responsável pelo Laboratório Marítimo da Guia de 1974 a 1997, situado no Guincho, perto de Cascais, onde desenvolveu trabalhos pioneiros no domínio da Biologia Marinha. Liderou bastantes projectos de investigação de âmbito nacional e internacional.
Foi pioneiro no domínio da Biologia Marinha, tendo publicado vários trabalhos fundamentais para o desenvolvimento desta ciência em Portugal.
Foi Luiz Saldanha que começou em Portugal, no Departamento de Zoologia e Antropologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, o ensino universitário das disciplinas de Oceanografia Biológica e Ictiologia, bem como de outras disciplinas no âmbito da Biologia Marinha.
Foi responsável pela formação científica de inúmeros biólogos marinhos, que mais tarde viriam a tornar-se responsáveis pela investigação de várias Universidades e Institutos de Investigação portugueses. Ele próprio, em 1993, juntamente com outros especialistas norte-americanos e franceses, foi um dos responsáveis pela descoberta das primeiras fontes hidrotermais submarinas, no fundo do Oceano Atlântico, perto dos Açores.
Noutra vertente, Luiz Saldanha foi também um artista, os seu desenhos a lápis e aguarelas, com que ilustrava os seus diários de viagem, e outras campanhas oceanográficas em que participava, já foram requisitadas inúmeras vezes para exposições sobre oceanografia e outros temas.
Foi presidente do "Instituto Nacional de Investigação das Pescas" e mais tarde também do "Instituto do Mar", actual Instituto Português do Mar e da Atmosfera, como já referido anteriormente. No desempenho destas funções contribuiu de um modo decisivo para o desenvolvimento das Ciências e Tecnologias do Mar em Portugal.
Depois de um longo período de doença, faleceu no dia 16 de novembro de 1997.

Homenagens
Em 1998, já depois da sua morte, foi homenageado ao ser dado o seu nome ao primeiro parque marinho de Portugal continental, o "Parque Marinho Professor Luiz Saldanha", integrado no Parque Natural da Arrábida.
Ainda em 1998, outras homenagens de relevo com a atribuição do seu nome à primeira operação organizada por investigadores portugueses às zonas hidrotermais junto aos Açores, a "Missão Saldanha", chefiada pelo cientista Fernando Barriga, Professor Doutor da Universidade de Lisboa, que resultaria na descoberta do Monte Saldanha.
A 28 de outubro de 1999 foi feito, a título póstumo, Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada.

José Saramago nasceu há 95 anos

(imagem daqui)
Foi galardoado com o Nobel de Literatura em 1998. Também ganhou o Prémio Camões, o mais importante prémio literário da língua portuguesa. Saramago foi considerado o responsável pelo efetivo reconhecimento internacional da prosa em língua portuguesa.
O seu livro Ensaio Sobre a Cegueira foi adaptado para o cinema e lançado em 2008, produzido no Japão, Brasil, Uruguai e Canadá, dirigido por Fernando Meirelles (realizador de O Fiel Jardineiro e Cidade de Deus). Em 2010 o realizador português António Ferreira adapta um conto retirado do livro Objeto Quase, conto esse que viria dar nome ao filme Embargo, uma produção portuguesa em co-produção com o Brasil e Espanha.
Nasceu no distrito de Santarém, na província geográfica do Ribatejo, no dia 16 de novembro, embora o registo oficial apresente o dia 18 como o do seu nascimento. Saramago, conhecido pelo seu ateísmo e iberismo, foi membro do Partido Comunista Português e foi director-adjunto do Diário de Notícias. Juntamente com Luiz Francisco Rebello, Armindo Magalhães, Manuel da Fonseca e Urbano Tavares Rodrigues foi, em 1992, um dos fundadores da Frente Nacional para a Defesa da Cultura (FNDC). Casado, em segundas núpcias, com a espanhola Pilar del Río, Saramago viveu na ilha espanhola de Lanzarote, nas Ilhas Canárias.

Biografia
José Saramago nasceu na vila de Azinhaga, no concelho da Golegã, de uma família de pais e avós agricultores. A sua vida é passada em grande parte em Lisboa, para onde a família se muda em 1924 – era um menino de apenas dois anos de idade. Dificuldades económicas impedem-no de entrar na universidade. Demonstra desde cedo interesse pelos estudos e pela cultura, sendo que esta curiosidade perante o Mundo o acompanhou até à morte. Formou-se numa escola técnica. O seu primeiro emprego foi de serralheiro mecânico. Fascinado pelos livros, visitava, à noite, com grande frequência, a Biblioteca Municipal Central — Palácio Galveias
Aos 25 anos, publica o primeiro romance Terra do Pecado (1947), no mesmo ano de nascimento da sua filha, Violante, fruto do primeiro casamento com Ilda Reis – com quem se casou em 1944 e com quem permaneceu até 1970. Nessa época, Saramago era funcionário público. Em 1988, casar-se-ia com a jornalista e tradutora espanhola María del Pilar del Río Sánchez, que conheceu em 1986 e ao lado da qual viveu até à morte. Em 1955 e para aumentar os rendimentos, começou a fazer traduções de Hegel, Tolstoi e Baudelaire, entre outros.
Depois de Terra do Pecado, Saramago apresentou ao seu editor o livro Clarabóia que, depois de rejeitado, permanece inédito até à data de hoje. Persiste, contudo, nos esforços literários e, dezanove anos depois, funcionário,então, da Editorial Estudos Cor, troca a prosa pela poesia, lançando Os Poemas Possíveis. Num espaço de cinco anos, publica, sem alarde, mais dois livros de poesia: Provavelmente Alegria (1970) e O Ano de 1993 (1975). É quando troca também de emprego, abandonando a Estudos Cor para trabalhar no Diário de Notícias (DN) e, depois, no Diário de Lisboa. Em 1975, retorna ao DN como Director-Adjunto, onde permanece por dez meses, até 25 de novembro do mesmo ano, quando os militares portugueses intervêm na publicação (reagindo ao que consideravam os excessos da Revolução dos Cravos) demitindo vários funcionários. Demitido, Saramago resolve dedicar-se apenas à literatura, substituindo de vez o jornalista pelo ficcionista: "(…) Estava à espera de que as pedras do puzzle do destino – supondo-se que haja destino, não creio que haja – se organizassem. É preciso que cada um de nós ponha a sua própria pedra, e a que eu pus foi esta: "Não vou procurar trabalho", disse Saramago em entrevista à revista Playboy, em 1995.
Da experiência vivida nos jornais, restaram quatro crónicas: Deste Mundo e do Outro, 1971, A Bagagem do Viajante, 1973, As Opiniões que o DL Teve, 1974 e Os Apontamentos, 1976. Mas não são as crónicas, nem os contos, nem o teatro os responsáveis por fazer de Saramago um dos autores portugueses de maior destaque - esta missão está reservada aos seus romances, género a que retorna em 1977.
Três décadas depois de publicado Terra do Pecado, Saramago retornou ao mundo da prosa ficcional com Manual de Pintura e Caligrafia. Mas ainda não foi aí que o autor definiu o seu estilo. As marcas características do estilo Saramaguiano só apareceriam com Levantado do Chão (1980), livro no qual o autor retrata a vida de privações da população pobre do Alentejo.
Dois anos depois de Levantado do Chão (1982), surge o romance Memorial do Convento, livro que conquista definitivamente a atenção de leitores e críticos. Nele, Saramago misturou factos reais com personagens inventados: o rei D. João V e Bartolomeu de Gusmão, com a misteriosa Blimunda e o operário Baltazar, por exemplo. O contraste entre a opulenta aristocracia ociosa e o povo trabalhador e construtor da história servem de metáfora à medida da luta de classes marxista. A crítica brutal a uma Igreja ao serviço dos opressores inicia a exposição de uma tentativa de destruição do fenómeno religioso como devaneio humano construtor de guerras.[3]
De 1980 a 1991, o autor trouxe a lume mais quatro romances que remetem a factos da realidade material, problematizando a interpretação da "história" oficial: O Ano da Morte de Ricardo Reis (1984) - sobre as andanças do heterónimo de Fernando Pessoa por Lisboa; A Jangada de Pedra (1986) - em que se questiona o papel Ibérico na então CEE através da metáfora da Península Ibérica soltando-se da Europa e encontrando o seu lugar entre a velha Europa e a nova América; História do Cerco de Lisboa (1989) - onde um revisor é tentado a introduzir um "não" no texto histórico que corrige, mudando-lhe o sentido; e O Evangelho Segundo Jesus Cristo (1991) - onde Saramago reescreve o livro sagrado sob a óptica de um Cristo que não é Deus e se revolta contra o seu destino e onde, a fundo, questiona o lugar de Deus, do cristianismo, do sofrimento e da morte.
Nos anos seguintes, entre 1995 e 2005, Saramago publicou mais seis romances, dando início a uma nova fase em que os enredos não se desenrolam mais em locais ou épocas determinados e personagens dos anais da história se ausentam: Ensaio Sobre a Cegueira (1995); Todos os Nomes (1997); A Caverna (2001); O Homem Duplicado (2002); Ensaio Sobre a Lucidez (2004); e As Intermitências da Morte (2005). Nessa fase, Saramago penetrou de maneira mais investigadora os caminhos da sociedade contemporânea, questionando a sociedade capitalista e o papel da existência humana condenada à morte.
A ida para Lanzarote conta mais sobre o escritor do que deixa transparecer a justificativa corrente (a medida censória portuguesa). Com o gesto de afastamento rumo à ilha mais oriental das Canárias, Saramago não apenas protesta ante o cerceamento, como finca raízes num local de geografia inóspita (trata-se de uma ilha vulcânica, com pouca vegetação e nenhuma fonte de água potável). A decisão tem um carácter revelador, tanto mais se se levar em conta que, neste caso, "mais oriental" significa dizer mais próximo de Portugal e do continente europeu.
Mesmo em dias de hegemonia do pensamento pró-mercado, Saramago guarda um olhar abrigado numa ilha europeia mais próxima da África que do velho centro da civilização capitalista. Sempre atento às injustiças da era moderna, vigilante das mais diversas causas sociais, Saramago não se cansava de investir, usando a arma que lhe coube usar, a palavra. "Aqui na Terra a fome continua, / A miséria, o luto, e outra vez a fome.", diz o eu lírico do poema saramaguiano "Fala do Velho do Restelo ao Astronauta" (do livro Os Poemas Possíveis, editado em 1966).
Saramago faleceu no dia 18 de Junho de 2010, aos 87 anos de idade, na sua casa em Lanzarote onde residia com a mulher Pilar del Rio, vítima de leucemia crónica. O escritor estava doente havia algum tempo e o seu estado de saúde agravou-se na sua última semana de vida. O seu funeral teve honras de Estado, tendo o seu corpo sido cremado no Cemitério do Alto de São João, em Lisboa. As cinzas do escritor, foram depositadas aos pés de uma oliveira, em Lisboa em 18 de junho de 2011.

Obra
José Saramago foi conhecido por utilizar um estilo oral, coevo dos contos de tradição oral populares em que a vivacidade da comunicação é mais importante do que a correcção de uma linguagem escrita. Todas as características de uma linguagem oral, predominantemente usada na oratória, na dialéctica, na retórica e que servem sobremaneira o seu estilo interventivo e persuasivo estão presentes. Assim, utiliza frases e períodos compridos, usando a pontuação de uma maneira não convencional; Os diálogos das personagens são inseridos nos próprios parágrafos que os antecedem, de forma que não existem travessões nos seus livros. Este tipo de marcação das falas propicia uma forte sensação de fluxo de consciência, a ponto do leitor chegar a confundir-se se um certo diálogo foi real ou apenas um pensamento. Muitas das suas frases (i.e. orações) ocupam mais de uma página, usando vírgulas onde a maioria dos escritores usaria pontos finais. Da mesma forma, muitos dos seus parágrafos ocupariam capítulos inteiros de outros autores. Por isso, se o leitor se habituar ao o seu estilo, a sua leitura é muito agradável, pois o seu ritmo está muito próximo da eloquência oral do Povo Português.
Estas características tornam o estilo de Saramago único na literatura contemporânea, sendo considerado por muitos críticos um mestre no tratamento da língua portuguesa. Em 2003, o crítico norte-americano Harold Bloom, no seu livro Genius: A Mosaic of One Hundred Exemplary Creative Minds ("Génio: Um Mosaico de Cem Exemplares Mentes Criativas"), considerou José Saramago "o mais talentoso romancista vivo nos dias de hoje" (tradução livre de the most gifted novelist alive in the world today), referindo-se a ele como "o Mestre". Declarou ainda que Saramago é "um dos últimos titãs de um género literário que se está a desvanecer".
 
 
No Coração, Talvez

No coração, talvez, ou diga antes:
Uma ferida rasgada de navalha,
Por onde vai a vida, tão mal gasta.
Na total consciência nos retalha.
O desejar, o querer, o não bastar,
Enganada procura da razão
Que o acaso de sermos justifique,
Eis o que dói, talvez no coração.

in
Os Poemas Possíveis (1966) - José Saramago