segunda-feira, outubro 23, 2017

Michael Crichton nasceu há 75 anos

John Michael Crichton (Chicago, 23 de outubro de 1942 - Los Angeles, 4 de novembro de 2008) foi um escritor, produtor de filmes e de televisão norteamericano. O seus trabalhos mais conhecidos são romances de ficção científica, dentre os quais, a sua obra mais conhecida, Parque Jurássico, adaptado para o cinema por Steven Spielberg, com o título Jurassic Park, e a série de televisão ER.
Michael Crichton também dirigiu e/ou produziu vários filmes e programas de televisão. Entre outros, Crichton dirigiu o filme Coma, adaptado de uma novela de Robin Cook.
O seu género literário pode ser descrito como techno-thriller, que é, geralmente, a união de ação e de detalhes técnicos. Muitas das suas novelas têm termos médicos ou científicos, refletindo os seus conhecimentos médicos e científicos - Crichton era licenciado em Medicina pela Harvard Medical School.
Crichton morreu a 4 de novembro de 2008, aos 66 anos, por causa de um cancro.

A Revolução Húngara de 1956 começou há 61 anos


A Revolução Húngara de 1956 (em húngaro: 1956-os forradalom) foi uma revolta popular espontânea contra as políticas impostas pelo governo da República Popular da Hungria e pela União Soviética. O movimento durou 23 de outubro até 10 de novembro de 1956.
A revolta começou como uma manifestação estudantil que atraiu milhares que marcharam pelo centro de Budapeste até ao parlamento. Uma delegação de estudantes entrando no prédio da rádio em uma tentativa de transmitir as suas demandas foi detida. Quando a libertação da delegação foi exigida pelo manifestantes do lado de fora, ele foram alvejados pela Autoridade de Proteção de Estado (ÁVH) de dentro do prédio. As notícias espalharam-se rapidamente e desordem e violência erupcionaram por toda a capital.
A revolta espalhou-se rapidamente pela Hungria, e o governo caiu. Milhares de populares organizaram-se em milícias, combatendo a Polícia de Segurança do Estado (ÁVH) e as tropas soviéticas. Comunistas pro-soviéticos e membros da ÁVH eram frequentemente executados ou aprisionados, enquanto os antigos prisioneiros eram libertados e armados. Conselhos improvisados tiraram o controle municipal do Partido dos Trabalhadores Húngaros e exigiram mudanças políticas. O novo governo formalmente dissolveu a ÁVH, declarou a sua intenção de se retirar do Pacto de Varsóvia e prometeu livres eleições restabelecidas. Pelo final de outubro, as lutas tinham quase parado e um senso de normalidade começava a retornar.
Depois de anunciar a boa vontade para negociar uma retirada das forças soviéticas, o Politburo mudou de ideia e decidiu suprimir a revolução. Em 4 de novembro, uma grande força soviética invadiu Budapeste e outras regiões do país. A resistências húngara continuou até 10 de novembro. Mais de 2.500 soldados húngaros e 700 soviéticos foram mortos no conflito e 200.000 húngaros fugiram como refugiados. Prisões em massa e denúncias continuaram por meses depois. Por janeiro de 1957, o novo governo soviético instalado suprimiu toda a oposição pública. Essas ações soviéticas afastaram muitos marxistas ocidentais, ainda reforçados pelo controle soviético na Europa Central.
Discussões públicas sobre essa revolução foram reprimidas na Hungria por trinta anos, mas desde os anos 80 ela tem sido objeto de intenso estudo e debate. Na inauguração da Terceira República da Hungria, em 1989, o dia 23 de outubro foi declarado feriado nacional.

O Padre Américo nasceu há 130 anos

Américo Monteiro de Aguiar, mais conhecido por Padre Américo (Penafiel, Galegos, 23 de outubro de 1887 - Campo, Valongo, 16 de julho de 1956), foi um importante benfeitor português que dedicou a sua vida aos mais carenciados, principalmente jovens, que se traduziu em inúmeras realizações. Foi em São Pedro de Alva que o Padre Américo idealizou a Obra da Rua e fundou a sua primeira Casa da Colónia, como era assim chamada a Casa do Gaiato, a mais conhecida e relevante referida obra.

Vida e obra
O Padre Américo nasceu a 23 de outubro de 1887 na freguesia de Galegos, concelho de Penafiel, tendo sido baptizado a 4 de novembro do mesmo ano. Frequentou o Ensino Primário na sua terra natal, transitando, em 1898, para o Colégio do Carmo, em Penafiel, e no ano seguinte para o Colégio de Santa Quitéria, em Felgueiras. Terminados os estudos liceais, em 1902, emprega-se, no Porto, numa loja de ferragens. Em 1906, porém, resolve partir para Moçambique, estabelecendo-se em Chinde, onde trabalha na companhia The British Central Africa e na African Lakes, como despachante. Por essa altura trava conhecimento com o padre Rafael Maria da Assunção, que mais tarde seria nomeado Bispo de Cabo Verde.
Regressado a Penafiel, em 1923, contacta o pároco local de quem tinha sido companheiro de infância e comunica-lhe o desejo de entrar para um convento franciscano, dando como única explicação a frase é uma martelada!. Dois meses depois entra no Convento de Santo António de Vilariño, em Tui (Espanha), onde permanece durante nove meses como postulante, a estudar latim e ciências naturais e mais um ano, depois da tomada do hábito.
As dificuldades em se adaptar à vida monástica conduzem à sua saída em julho de 1925, mas tenta ingressar no seminário diocesano do Porto, embora o Bispo D. António Barbosa Leão não dê seguimento ao seu requerimento. Contacta então o Bispo de Coimbra, D. Manuel Luís Coelho da Silva, que o aceita.
Depois de se formar em Teologia no Seminário de Coimbra, foi nomeado Perfeito do Seminário e professor de Português. É igualmente capelão em Casais do Campo, freguesia de São Martinho do Bispo e designado pároco de São Paulo de Frades, não chegando a tomar posse, incapacitado por um esgotamento.
É quando D. Manuel Luís Coelho da Silva, Bispo de Coimbra, lhe entrega a Sopa dos Pobres, em 1932 que começa a revelar a sua verdadeira vocação. A partir daí não mais parou.
Em maio de 1935, foi convidado para São Pedro de Alva, para pregar à população. Certo dia o pároco da freguesia leva-o à escola primária e foi aí que idealizou e teve a visão da obra da rua. Logo aí fundou a primeira Casa da Colónia. Decidiu em Agosto ir para a capital de distrito, e então inicia as Colónias de Férias do Garoto da Baixa, em Coimbra, estágio embrionário do que viria a ser posteriormente a Casa do Gaiato. Seguem-se Vila Nova do Ceira e Miranda do Corvo. A 7 de janeiro de 1940, finalmente, o Padre da Rua funda a primeira Casa do Gaiato, no lugar de Bujos, em Miranda do Corvo. A segunda Casa do Gaiato, no mosteiro beneditino de Paço de Sousa, seria o local escolhido para o surgimento da Aldeia do Gaiato, para acolhimento e alojamento de jovens a que se seguiria o Lar do Gaiato, no Porto. No mesmo âmbito e sob o lema «cada freguesia cuide dos seus pobres» é o projecto de construção das primeiras casas do património dos pobres, também em Paço de Sousa, em fevereiro de 1951.
A Obra da Rua é consagrada ao Santíssimo Nome de Jesus, e o seu ex-libris é o Quim Mau, o garoto de braços abertos que pede o amor do próximo.
A 1 de janeiro de 1941 abre o lar do Ex-Pupilo das Tutorias e dos Reformatórios, na Rua da Trindade, em Coimbra, instituição que será entregue aos Serviços Jurisdicionais de Menores em 1950; em junho do mesmo ano, publica o primeiro volume do Pão dos Pobres.
Em 1942, publica Obra da Rua.
A 5 de março de 1944 aparece o primeiro número do jornal O Gaiato, quinzenário da Obra da Rua, de que é fundador e director.
A 4 de janeiro de 1948 seria inaugurada a Casa do Gaiato de Lisboa, situada na quinta da Mitra, em Santo Antão do Tojal, em Loures.
Em 1950, saem a público o opúsculo Do Fundamento da Obra da Rua e do Teor dos seus Obreiros e o primeiro volume do livro Isto é a Casa do Gaiato.
Em 1952, viagem a África; publica um novo livro, O Barredo, a que se seguem, em 1954, Ovo de Colombo e Viagens, no ano em que toma posse da quinta da Torre, em Beire, freguesia de Paredes, para a instalação de uma Casa do Gaiato e do Calvário, para o abrigo de doentes incuráveis.
A 1 de julho de 1955, abre a Casa do Gaiato de Setúbal, em Algeruz.
Em 1956, morre vitima de acidente de viação em Campo no concelho de Valongo. O seu processo de glorificação canónica teve início em 1986.

A Terra está a ficar (bastante) velha...

James Ussher ou simplesmente Usher (Dublin, 4 de janeiro de 1581 - 21 de março de 1656) foi um Arcebispo Anglicano de Armagh. Baseando-se na Bíblia, escreveu o livro The Annals of the World em 1658. Baseando-se no número de gerações, na duração média da vida humana e nas principais figuras bíblicas desde Adão e Eva até ao nascimento de Jesus, Ussher afirmou que a terra tinha sido criada às 9 horas da manhã do dia 23 de outubro de 4004 a.C. (domingo) e o dia da expulsão de Adão e Eva do paraíso em 10 de novembro de 4004 a.C. (segunda-feira) e, mais até, a data da atracagem da arca de Noé no Monte Ararat (Turquia) em 5 de maio de 2348 a.C. (quarta-feira). Tal precisão conferiu-lhe grande credibilidade entre os seus contemporâneos.


(imagem daqui)

domingo, outubro 22, 2017

Ève Curie, a última dos Curie, morreu há dez anos

Ève Denise Curie Labouisse (Paris, 6 de dezembro de 1904 - Nova Iorque, 22 de outubro de 2007) foi uma escritora, pianista/concertista, crítica musical, jornalista e humanista francesa, filha de Marie Curie e Pierre Curie, e irmã de Irène Joliot-Curie. Éve Curie foi a única pessoa da sua família mais chegada a não receber um Prémio Nobel. Escreveu a biografia de sua mãe, que se transformou num filme em 1943.
Em 1937 publicou a biografia de sua mãe, falecida em 4 de julho de 1934, vítima de leucemia; o seu pai falecera em 19 de abril de 1906, atropelado por uma carruagem, na rua Dauphine em Paris, e a irmã Irene faleceu a 17 de março de 1956, aos 58 anos, também vítima de leucemia.
Ève Curie foi pianista, crítica musical, jornalista e humanista, realizando inúmeras palestras em defesa da liberdade. Como pianista de concertos tocou na França e na Bélgica; escreveu em diversos jornais da França como crítica musical. Escreveu dois livros biográficos:
Na II Guerra Mundial, o regime de Vichy retirou-lhe a sua cidadania francesa, pelo que se mudou para os Estados Unidos. Após a guerra foi editora do jornal francês Paris-Press nos começo dos anos 50; também foi consultora especial na secretaria geral da OTAN.
Em 1954 casou-se com Henry Richardson Labouisse, posteriormente embaixador dos Estados Unidos na Grécia, de 1965 a 1979, diretor executivo da UNICEF e agraciado com o Prémio Nobel da Paz quando a UNICEF foi premiada em 1965, tendo morrido em 1987. Com isso, ainda que indiretamente, Ève Curie seguiu a tradição da sua família, ganhando o Prémio Nobel, pois os seus pais, Pierre e Marie Curie, ganharam o Prémio Nobel de Física em 1903, por trabalho conjunto com Antoine Becquerel; Marie Curie o Prémio Nobel de Química em 1911; e a sua irmã Iréne Juliot-Curie foi vencedora, em conjunto com o marido Jean Frédéric Joliot-Curie, do Prémio Nobel de Química, em 1935.

Jeff Goldblum - 65 anos

Jeffrey Lynn Goldblum (West Homestead, 22 de outubro de 1952), conhecido como Jeff Goldblum, é um ator norte-americano.
Goldblum, o terceiro filho de um médico judeu e uma radialista, mudou-se para a cidade de Nova Iorque aos dezassete anos para se tornar ator. Trabalhou em teatro e estudou teatro no Neighborhood Playhouse, sob a direção de Sanford Meisner e fez a sua estreia na Broadway na produção de "The Two Glentlemen of Verona". Ele é também cantor e pianista de jazz e declarou que, se não fosse ator, dedicaria a sua vida à música.
Jeff foi protagonista de filmes como A Mosca (o seu desempenho mais aclamado) e The Tall Guy. Os seus importantes personagens secundários incluem Invasores de Corpos (1978), O Reencontro (1983), Jurassic Park (1993), Independence Day (1996). Ele também participou de As Aventuras de Buckaroo Banzai.
Goldblum emprestou a sua voz à maioria das campanhas publicitárias da Apple nos EUA, incluindo a do iBook. Também emprestou a sua voz às campanhas americanas da Toyota .
Ele ensina interpretação na Playhouse West, em North Hollywood, com Robert Carnegie. Foi com diversos atores dessa companhia que ele improvisou e dirigiu o filme de curta-metragem "Little Surprises", que foi nomeado para o Óscar em 1996. Atualmente Jeff integra o elenco regular da série policial Law & Order: Criminal Intent como o excêntrico detetive Zach Nichols.

Vida pessoal 
Foi casado duas vezes, primeiro com Patricia Gaul, de 1980 a 1986. Depois casou com Geena Davis em 1 de novembro de 1987, depois de conhecê-la durante as filmagens de A Mosca, e separou-se em outubro de 1990. Em 1993 iniciou um relacionamento com Laura Dern, sua companheira em Jurassic Park, e separaram-se em 1997. Ele revelou ter tido bom relacionamento com as últimas duas atrizes, e sobre Geena, diz que "ela é uma pessoa e atriz maravilhosa". Mais recentemente esteve noivo de Catherine Wreford, uma dançarina canadiana mais conhecida nos palcos do teatro, e com quem fez o filme Pittsburgh, um documentário com alguma ficção. Jeff e Catherine, no entanto, já não estão juntos.

A cantora Rita Guerra faz hoje 50 anos

Rita Maria de Azevedo Mafra Guerra, conhecida apenas como Rita Guerra (Lisboa, 22 de outubro de 1967) é uma cantora portuguesa.
 

Joan Fontaine nasceu há um século

Joan de Beauvoir de Havilland (Tóquio, 22 de outubro de 1917 - Carmel-by-the-Sea, 15 de dezembro de 2013), conhecida profissionalmente como Joan Fontaine, foi uma atriz britânico-americana nascida no Japão. Foi a única atriz que conseguiu levar um Óscar (de melhor atriz principal) pela sua performance num filme do diretor Alfred Hitchcock, o chamado mestre do suspense, que a dirigiu em Rebecca (1940) e Suspeita ("Suspicion", 1941), tendo sido este último o que lhe deu o prémio.
Filha mais nova da também atriz Lillian Fontaine, a sua irmã mais velha, Olivia de Havilland, tornou-se, tal como a própria Joan de seguida, uma das mais admiradas estrelas do cinema; ambas são, até os dias de hoje, as únicas irmãs a vencerem um Óscar da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, tendo as duas, em 1999, sido nomeadas umas das 500 grandes lendas do cinema americano segundo o American Film Institute.
Por sua contribuição para a indústria do cinema, Fontaine possui uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood, localizada no número 1645 da Vine Street. Em 26 de maio de 1942 ela deixou o seu autógrafo e a marca das suas mãos e pés na Calçada da Fama, em frente ao Grauman's Chinese Theatre.

Marisa Liz, a vocalista da banda Amor Electro, faz hoje 35 anos

Marisa Liz ou Marisa Pinto (Lisboa, 22 de outubro de 1982) é uma cantora portuguesa, atualmente vocalista na banda Amor Electro.

Biografia
Marisa participou em programas como Bravo Bravissimo e Os Principais. Iniciou o seu percurso musical em bandas infanto-juvenis como as Popeline e os Onda Choc onde sempre se destacou positivamente.
Em 2002 interpretou a adaptação portuguesa à música do genérico da série Kim Possible da Disney Channel.
Em 2003 Marisa formou, com Miguel Ângelo Majer e Ricardo Santos, a banda pop-folk-fado denominada Donna Maria.
Participou no espectáculo-tributo dos 50 anos de carreira de Simone de Oliveira, Num País Chamado Simone, realizado no Coliseu dos Recreios, em 2008.
Em 2009, Marisa deixou os Donna Maria, para dar continuidade à sua carreira a solo.
Nos primeiro dias de 2010 surge como vocalista de uma nova banda electro-pop, os "Catwalk", na agenda de espectáculos do Casino Estoril.
Passou a apresentar-se como Marisa Liz.
Marisa Liz participou no álbum de Júlio Pereira lançado em 2010, Graffiti, de Júlio Pereira, com Sara Tavares, Dulce Pontes, Manuela Azevedo ou Maria João.
Em 2010, apareceu na Gala de Natal da SIC com o seu novo grupo, Amor Electro, e na qual apresentaram o single "A Máquina (Acordou)". O álbum de estreia do grupo (Cai o Carmo e a Trindade) foi lançado em 2011.
Marisa interpretou a adaptação portuguesa à música do genérico do filme Winx Club 3D: A Aventura Mágica. O filme estreou em 31 de março de 2011. Ainda em novembro deste ano, a banda Amor Electro atingiu o disco de platina com o seu disco de estreia.
 
 

sábado, outubro 21, 2017

A conquista de Lisboa foi há 870 anos

Cerco de Lisboa por Roque Gameiro

O Cerco de Lisboa teve início a 1 de julho de 1147 e durou até 21 de outubro, integrou a Reconquista cristã da Península Ibérica, culminando na conquista desta cidade aos mouros pelas forças de D. Afonso Henriques (1112 - 1185) com o auxílio dos Cruzados que se dirigiam para o Médio Oriente, mais propriamente para a Terra Santa. Foi o único sucesso da Segunda Cruzada.
Após a queda de Edessa, em 1144, o Papa Eugénio III convocou uma nova cruzada para 1145 e 1146. O Papa ainda autorizou uma cruzada para a Península Ibérica, embora esta fosse uma guerra desgastante de já vários séculos, desde a derrota dos Mouros em Covadonga, em 718. Nos primeiros meses da Primeira Cruzada em 1095, já o Papa Urbano II teria pedido aos cruzados ibéricos (futuros portugueses, castelhanos, leoneses, aragoneses, etc.) que permanecessem na sua terra, já que a sua própria guerra era considerada tão valente como a dos Cruzados em direcção a Jerusalém. Eugénio reiterou a decisão, autorizando Marselha, Pisa, Génova e outras grandes cidades mediterrânicas a participar na guerra da Reconquista.
A 19 de maio zarparam os primeiros contingentes de Cruzados de Dartmouth, Inglaterra, constituídos por flamengos, normandos, ingleses, escoceses e alguns cruzados germanos. Segundo Odo de Deuil, perfaziam no total 164 navios - valor este provavelmente aumentado progressivamente até à chegada a Portugal. Durante esta parte da cruzada, não foram comandados por nenhum príncipe ou rei; a Inglaterra estava em pleno período d'A Anarquia. Assim, a frota era dirigida por Arnold III de Aerschot (sobrinho de Godofredo de Louvaina), Christian de Ghistelles, Henry Glanville (condestável de Suffolk), Simon de Dover, Andrew de Londres e Saher de Archelle.
A armada chegou à cidade do Porto a 16 de junho, sendo convencidos pelo bispo do Porto, Pedro II Pitões, a tomarem parte nessa operação militar. Após a conquista de Santarém (1147), sabendo da disponibilidade dos Cruzados em ajudar, as forças de D. Afonso Henriques prosseguiram para o sul, sobre Lisboa.
As forças portuguesas avançaram por terra, as dos cruzados por mar, penetrando na foz do rio Tejo; em junho desse mesmo ano, ambas as forças estavam reunidas, ferindo-se as primeiras escaramuças nos arrabaldes a oeste da colina sobre a qual se erguia a cidade de então, hoje a chamada Baixa. Após violentos combates, tanto esse arrabalde, como o a leste, foram dominados pelos cristãos, impondo-se dessa forma o cerco à opulenta cidade mercantil.
Bem defendidos, os muros da cidade mostraram-se inexpugnáveis. As semanas se passavam em surtidas dos sitiados, enquanto as máquinas de guerra dos sitiantes lançavam toda a sorte de projéteis sobre os defensores, o número de mortos e feridos aumentando de parte a parte.
No início de outubro, os trabalhos de sapa sob o alicerce da muralha tiveram sucesso em fazer cair um troço dela, abrindo uma brecha por onde os sitiantes se lançaram, denodadamente defendida pelos defensores. Por essa altura, uma torre de madeira construída pelos sitiantes foi aproximada da muralha, permitindo o acesso ao adarve. Diante dessa situação, na iminência de um assalto cristão em duas frentes, os muçulmanos, enfraquecidos pelas escaramuças, pela fome e pelas doenças, capitularam a 20 de outubro.
Entretanto, somente no dia seguinte, o soberano e as suas forças entrariam na cidade, nesse meio tempo violentamente saqueada pelos cruzados.
Decorrente deste cerco surgem os episódios lendários de Martim Moniz, que teria perecido pela vitória dos cristãos, e da ainda mais lendária batalha de Sacavém.
Alguns dos cruzados estabeleceram-se na cidade, de entre os quais se destaca Gilbert de Hastings, eleito bispo de Lisboa.
Após a rendição uma epidemia de peste assolou a região, fazendo milhares de vitimas entre a população.
Lisboa tornar-se-ia a capital de Portugal em 1255.

Os cruzados na conquista de Lisboa (1147)
Ora como tivéssemos chegado ao Porto, o bispo com seus clérigos veio ao nosso encontro. O rei achava-se então ausente com o seu exército, lutando contra os mouros. Feitas a todos as saudações conforme o costume da sua gente, disse-nos o bispo que já sabia que nós havíamos de chegar, e na véspera recebera do rei uma carta, em que se dizia isto:
«Afonso, rei de Portugal, a Pedro, bispo do Porto, saúde. Se porventura arribarem aí os navios dos Francos, recebei-os diligentemente com toda a benignidade e doçura e, conforme o pacto que com eles fizerdes de ficarem comigo, vós e quantos o quiserem fazer, como garantia da combinação feita, vinde em sua companhia a ter comigo, junto de Lisboa. Adeus !»
Carta do cruzado inglês Osberno (séc. XII)

Dizzy Gillespie nasceu há um século!

John Birks Gillespie, conhecido como Dizzy Gillespie, (Cheraw, 21 de outubro de 1917 - Englewood, 6 de janeiro de 1993) foi um trompetista, líder de orquestra, cantor e compositor de jazz, sendo, a par de Charlie Parker, uma das maiores figuras no desenvolvimento do movimento bebop no jazz moderno.
Nascido na Carolina do Sul, Dizzy era um instrumentista virtuoso e um improvisador dotado. A juntar às suas capacidades instrumentais, os seus óculos, a sua forma de cantar e tocar (com as bochechas extremamente inchadas), o seu trompete recurvado e a sua personalidade alegre faziam dele uma pessoa especial, dando um aspecto humano àquilo que muitos, incluindo alguns dos seus criadores, classificavam como música assustadora.
Em relação à forma de tocar, Gillespie construiu a sua interpretação a partir do estilo "saxofónico" de Roy Eldridge indo depois muito além deste. As suas marcas pessoais eram o seu trompete (com a campânula inclinada 45º em vez de ser a direito) e as suas bochechas inchadas (tradicionalmente os trompetistas são ensinados a não fazer “bochecha”).
Para além do seu trabalho com Parker, Dizzy Gillespie conduziu pequenos agrupamentos e big bands e aparecia frequentemente como solista com a Norman Granz's Jazz at the Philharmonic. No início da sua carreira tocou com Cab Calloway, que o despediu por tocar “música chinesa”, a lendária big band de Billy Eckstine deu a estas harmonias atípicas uma melhor cobertura.
Nos anos 40 Gillespie liderou o movimento da música afro-cubana, trazendo elementos latinos e africanos para o jazz, e até para a música pop, em particular a salsa. Das suas numerosas composições destacam-se os clássicos do jazz "Manteca", "A Night in Tunisia", "Birk's Works", e "Con Alma".
Dizzy Gillespie publicou a sua autobiografia em 1979, To Be or not to Bop e seria vítima de um cancro no início de 1993, sendo sepultado no Flushing Cemetery em Queens, Nova Iorque.
Tem uma estrela com o seu nome na Calçada da Fama em Hollywood, no número 7057 de Hollywood Boulevard.

Em 1964, durante a campanha presidencial entre Lyndon Johnson e Barry Goldwater que ocupava as atenções do país, Gillespie lançou uma candidatura independente à Presidência dos Estados Unidos. Em tempos de conflitos raciais no país e Guerra do Vietname, a sua plataforma, apoiada por ativistas e amigos músicos, prometia oportunidade igual de empregos a negros e brancos e combate ao racismo. A sua intenção era chamar atenção para os problemas do país e anunciou que, se eleito, colocaria Miles Davis como chefe da CIA, Louis Armstrong como ministro da Agricultura, Duke Ellington como secretário-de-Estado e Malcolm X como procurador geral. Entre outras excentricidades, prometia também oficialmente trocar o nome da Casa Branca (White House) para Casa do Blues (Blues House).


sexta-feira, outubro 20, 2017

O ditador que mandou na Líbia durante quatro décadas foi assassinado há seis anos

Muammar Abu Minyar al-Gaddafi (Sirte, 7 de junho de 1942 - Sirte, 20 de outubro de 2011) foi um militar, político, ideólogo e ditador líbio, sendo o de facto chefe de estado do seu país entre 1969 e 2011.
(...)
Morte
Em 20 de outubro de 2011, após a queda de Sirte, o último grande reduto das forças de Gaddafi, o Conselho Nacional de Transição informou oficialmente à Al Jazeera que Gaddafi havia sido capturado. De acordo com algumas fontes, Gaddafi teria sido ferido nas pernas ou levado dois tiros no peito. Segundo as primeiras informações, ele teria morrido em consequência desses ferimentos. Imagens de um vídeo amador mostram o corpo ensanguentado de Gaddafi, ainda vivo, sendo carregado como um troféu em Sirte.
O primeiro-ministro do Conselho Nacional de Transição (CNT) líbio, Mahmoud Jibril, confirmou a morte do ex-líder Muammar Kadhafi, durante os confrontos pela tomada da cidade de Sirte. "Esperávamos havia muito tempo por este momento. Muammar Kadhafi foi morto", afirmou à Associated Press. Segundo Jibril, a autópsia determinou que o líder deposto foi morto com um ferimento de bala na cabeça, após sua captura. Jibril afirmou, durante entrevista coletiva, que Gaddafi estava em boa saúde e armado, quando foi encontrado. Enquanto era levado até uma camioneta, levou um tiro no braço ou na mão direita. Posteriormente, levou um tiro na cabeça, em circunstâncias poucos claras.
O corpo de Gaddafi foi levado para uma câmara frigorífica e ficou exposto para visita pública, juntamente com o corpo de seu filho Mo'tassim e do chefe militar do regime Abu-Bakr Yunis Jabr, durante 4 dias. Posteriormente foram enterrados, num local secreto, numa simples e respeitosa cerimónia, de acordo com o governo líbio. De acordo com o jornal francês Le Figaro, o corpo de Muammar Gaddafi foi enterrado no meio do deserto em um local não especificado para evitar que o túmulo se torne um local de peregrinação de seus partidários. Em seu testamento político divulgado pouco depois da sua morte, Gaddafi exortou o seu povo a continuar lutando e resistindo de todas as formas contra o novo governo e deixou instruções sobre como ele gostaria de ser enterrado, a maneira muçulmana.

Ronnie Van Zant morreu há quarenta anos

Ronald Wayne "Ronnie" Van Zant (Jacksonville, Flórida, 15 de janeiro de 1948Gillsburg, Mississippi, 20 de outubro de 1977) foi o vocalista, compositor e membro fundador da banda de southern rock Lynyrd Skynyrd.
  
Lynyrd Skynyrd
Van Zant formou os Lynyrd Skynyrd no verão de 1964 com amigos e colegas de escola: Allen Collins (guitarra), Gary Rossington (guitarra), Larry Junstrom (baixo), e Bob Burns (baterista). O nome Lynyrd Skynyrd foi inspirado num professor que tinham na escola: Leonard Skinner, que não gostava de estudantes com cabelos longos.
O reconhecimento nacional da banda deu-se em 1973 com o lançamento do álbum (Pronounced 'Lĕh-'nérd 'Skin-'nérd) com algumas das músicas favoritas dos fãs como: "I Ain't The One", "Tuesday's Gone", "Gimme Three Steps", "Simple Man" e "Freebird". A música que se tornou mais conhecida da banda foi "Sweet Home Alabama" do álbum Second Helping

Vida Pessoal
Van Zant casou duas vezes. O seu primeiro casamento foi com Nadine Inscoe e desse casamento nasceu a sua primeira filha, Tammy Van Zant. Casou pela segunda vez com Judy Seymour e teve a sua segunda filha, Melody Van Zant. Van Zant era conhecido por ser supersticioso; odiava cobras e detestava voar.

Morte
No dia 20 de outubro de 1977 o avião Convair 240 que transportava toda a banda de Greenville, South Carolina para Baton Rouge, Louisiana caiu em Gillsburg, Mississippi. Nesse acidente morreram Van Zant, os membros da banda Steve Gaines e Cassie Gaines, um produtor assistente da banda, o piloto e o co-piloto. Os restante elementos da banda sobreviveram, mas seriamente feridos.
Ronnie sempre disse às pessoas mais próximas que ele não viveria até aos seus 30 anos e que gostaria de morrer com as suas botas. Estranhamente morreu 3 meses antes de seu trigésimo aniversário.
O irmão mais novo de Ronnie, Johnny Van Zant tornou-se o novo vocalista da banda quando ela se reuniu novamente em 1987.


O ator Béla Lugosi nasceu há 135 anos

Béla Ferenc Dezsõ Blaskó, mais conhecido como Béla Lugosi, (Lugoj, 20 de outubro de 1882Los Angeles, 16 de agosto de 1956) foi um ator húngaro nascido no então Império Austro-Húngaro, na região do Banat.

Vida
O mais jovem dos quatro filhos de um banqueiro, Béla Lugosi começou a sua carreira nos palcos da Europa em várias peças de William Shakespeare. Mas no entanto tornou-se famoso pelo seu papel de Drácula, numa encenação da clássica história de vampiro de Bram Stoker, e teve como especialidade os filmes de horror.
Béla Lugosi fugiu de casa com 11 anos, abandonou a escola e trabalhou como mineiro. Na adolescência começou a atuar em pequenas companhias teatrais. Este percurso guiou-o do teatro para o cinema mudo húngaro, atuando com o nome artístico de Arisztid Olt. Porém, teve que interromper as atividades no cinema por causa da Primeira Guerra Mundial. Há boatos de que ele tenha sido ferido três vezes, assim causando a sua futura dependência em morfina para aliviar as dores que o seguiram a vida inteira. Há também uma versão que diz que ele conseguiu evitar o serviço se passando por louco.
Após sair do serviço militar, teve uma vida conturbada. Fez cerca de 12 filmes, casou-se pela primeira de cinco vezes e saiu da Hungria por conta das suas opiniões políticas. Refugiou-se na Alemanha, onde pouco tempo, para depois migrar para o país onde conseguiu alcançar a fama: os Estados Unidos. Béla participou no cenário do teatro na comunidade húngaro-americana e após algum tempo ganhou a oportunidade de interpretar Drácula, numa adaptação teatral escrita por John Balderston.
A sua interpretação única e assustadora nesta peça foi que abriu as portas para o estrelato no cinema. O diretor Tod Browing descobriu Béla e o chamou para interpretar o vampiro em sua versão cinematográfica de Drácula. Este papel deu-lhe o  estrelato ao mesmo tempo que o marcou como "um ator de um só papel".
Béla fez vários outros filmes de horror, como também de outros géneros. De entre os de horror, merecem destaque Murders in the Rue Morgue, The Raven, Mark of Vampire, entre outros. Porém, o ator não conseguiu estabilidade no cinema, e passou a partir de meados da década de 30 a atuar em filmes baratos. Ainda conseguiu papéis bons como em Son of Frankenstein, The Ghost of Frankenstein e The Corpse Vanishes. Porém, estereotipado como "Drácula" e seguindo o mesmo declínio do género na década de 40, no qual os monstros clássicos protagonizavam filmes em que se enfrentavam, Bela ficou desempregado.
Foi descoberto por Ed Wood, que gravou alguns filmes com ele. Diz-se que Ed Wood arcou com as despesas de internamento de Béla, que estava consumido pelo vício em morfina.
O último filme de Béla Lugosi foi Plan 9 from Outer Space, de Ed Wood. Porém, Bela filmou somente uma semana, falecendo no dia 16 de agosto de 1956. Bela foi sepultado com o traje de Drácula a pedido do seu filho e da sua quarta esposa, no cemitério de Holy Cross, na cidade de Culver City, Califórnia.


Nick Hodgson, o ex-baterista dos Kaiser Chiefs, faz hoje 40 anos

Nicholas David James Hodgson (Leeds, Inglaterra, 20 de outubro de 1977) é um baterista, vocalista e compositor britânico, que ficou conhecido pelo seu trabalho na banda Kaiser Chiefs. Compôs musicas como "Boxing Champ", "Remember You're a Girl", "If You Will Have Me", mas o seu maior sucesso como compositor foi "Man on Mars", canção lançada como single no álbum The Future Is Medieval. Em fevereiro de 2013, anunciaria o seu primeiro projeto fora dos Kaiser Chiefs. Esse projeto seria o EP chamando Man on Mars, mesmo nome de sua canção.
 
 

quinta-feira, outubro 19, 2017

Rutherford morreu há 80 anos

Ernest Rutherford, primeiro Barão Rutherford de Nelson, (Brightwater, Nova Zelândia, 30 de agosto de 1871 - Cambridge, 19 de outubro de 1937), foi um físico e químico neozelandês naturalizado britânico, que se tornou conhecido como o pai da física nuclear. Num trabalho no começo da carreira, descobriu o conceito de meia-vida radioativa, provou que a radioatividade causa a transmutação de um elemento químico noutro, e também distinguiu e nomeou as radiações alfa e beta. Foi premiado com o Nobel de Química em 1908 "por suas investigações sobre a desintegração dos elementos e a química das substâncias radioativas".
Rutherford realizou a sua obra mais famosa após ter recebido esse prémio. Em 1911 defendeu que os átomos têm a sua carga positiva concentrada em um pequeno núcleo, e, desse modo, criou o modelo atómico de Rutherford, ou modelo planetário do átomo, através da sua descoberta e interpretação da dispersão de Rutherford na sua experiência da folha de ouro. A ele é amplamente creditada a primeira divisão do átomo, em 1917, liderando a primeira experiência de "dividir o núcleo" duma forma controlada, por dois alunos sob a sua direção, John Cockcroft e Ernest Walton.
Dedicada à sua memória, a Medalha e Prémio Rutherford foi instituída pelo Conselho da Sociedade de Física em 1939. A primeira palestra ocorreu em 1942. A palestra foi convertida numa medalha e prémio, em 1965, sendo a primeira Medalha e Prémio Rutherford concedida no ano seguinte.

 

O cantor de reggae John Holt morreu há três anos

(imagem daqui)

John Kenneth Holt (Kingston, Jamaica, 11 July 1947 – London, England, 19 October 2014), better known as John Holt, was a reggae singer and songwriter from Jamaica who first found fame as a member of The Paragons, before establishing himself as a solo artist.

Biography
Holt was born in the Greenwich Farm area of Kingston, Jamaica, in 1947. His mother Amy was a nurse. By the age of 12, he was a regular entrant in talent contests run at Jamaican theatres by Vere Johns, winning 28 contests, some broadcast live on Radio Jamaica. He recorded his first single in 1963 with "Forever I'll Stay"/"I Cried a Tear" for record producer Leslie Kong, and also recorded a duet with Alton Ellis, "Rum Bumper", for producer Vincent "Randy" Chin.
In 1965 Holt joined Bob Andy, Garth "Tyrone" Evans, and Junior Menz in their group the Binders; Menz departed to be replaced by Howard Barrett and they changed their name to the Paragons. They initially recorded for Clement "Coxsone" Dodd's Studio One before cutting a succession of singles for Duke Reid at his Treasure Isle Studio in the rocksteady era of 1966–1968; They enjoyed a string of hits, including "Ali Baba", "Tonight", "I See Your Face", and the Holt-penned "The Tide Is High" (later made famous by Blondie and also covered by Atomic Kitten). "Wear You to the Ball" was another of his hits with the Paragons, and it made the charts again when U-Roy (whom he had introduced to Duke Reid) recorded a Deejay version over it. With Andy having left early on, the departures of Barrett (in 1969) and Evans (in 1970), who had both won scholarships in the US, brought the group to an end. During his time with the Paragons, he also recorded solo material for Bunny Lee ("Tonight"), and Harry J. He subsequently concentrated on his solo career, recording for Prince Buster ("Oh Girl", "Rain From the Skies"), Reid ("Stealing Stealing", "Ali Baba"), Dodd (including "Fancy Make-up", "A Love I Can Feel", "Let's Build Our Dreams" and "OK Fred"), Alvin Ranglin ("Strange Things"), and Phil Pratt ("My Heart Is Gone").
By the early 1970s, he was one of the biggest stars of reggae, and his work with producer Lee was key to his success; "Stick By Me" was the biggest selling Jamaican record of 1972, one of a number of records recorded with Lee. His 1973 Harry Mudie-produced album, Time Is The Master, was successful, with orchestral arrangements recorded in London by Tony Ashfield. The success of the string-laden reggae led to Trojan Records issuing a series of similarly arranged albums produced by Ashfield starting with the 1,000 Volts of Holt in 1973, a compilation of Holt's reggae cover versions of popular hits (and later followed by similarly named releases up to the Lee-produced 3,000 Volts of Holt). 1,000 Volts spawned the UK Top 10 hit "Help Me Make It Through the Night" (written by Kris Kristofferson), which peaked at number 6, and included covers of Billy Joel's "Just the Way You Are" and "Touch Me in the Morning" by Diana Ross.
He had success back in Jamaica in 1976 with "Up Park Camp" (on a reworking of the Heptones' "Get In the Groove" rhythm), and his success continued into the 1980s with tracks such as "Police in Helicopter" and "Fat She Fat", recorded with producer Henry "Junjo" Lawes, and a standout appearance at the 1982 Reggae Sunsplash festival. "Police in Helicopter" was a condemnation of the Jamaican government's crackdown on marijuana plantations. The cover to the album single pictured Holt growing locks and a beard, an indication of the increasing importance of Rastafari in his life. He continued to tour regularly, performed several times at Sunsplash in the 1990s, and performed in the United Kingdom with the Royal Philharmonic Concert Orchestra, with a live album taken from these shows released in 2001.
In 2004 he was awarded the Order of Distinction (Commander Class) by the Jamaican government for his contribution to Jamaican music.
Holt's style, notably slower and more romantic than most of his contemporaries, is a recognisable forerunner of the lovers rock subgenre.
His song "Man Next Door" has been covered by numerous other reggae artists, including Dennis Brown, UB40 and Horace Andy. The latter sang in a more electronic vein for the Massive Attack album Mezzanine.
Having been taken ill at the One Love Festival on 16 August, Holt died on 19 October 2014 in the Wellington Hospital in London. He had been diagnosed with colon cancer in June 2014. He is survived by his wife Valerie, 12 children, and 25 grandchildren. His funeral took place on 17 November at Holy Trinity Cathedral in Kingston, and featured performances by U-Roy, The Silvertones, Tinga Stewart, Boris Gardiner, George Nooks, Luciano, Carlene Davis, Ken Boothe, and members of Holt's family, backed by Lloyd Parks and the We the People Band. He was buried at Dovecot Memorial Park.