domingo, janeiro 21, 2018

O Rei Luís XVI de França foi assassinado há 225 anos...

Luís XVI (Versalhes, 23 de agosto de 1754 - Paris, 21 de janeiro de 1793) foi Rei da França e Navarra de 1774 até ser deposto em 1792 durante a Revolução Francesa, sendo executado no ano seguinte. O seu pai, Luís, Delfim de França, era o filho e herdeiro aparente do rei Luís XV. Como resultado da morte do seu pai, em 1765, Luís tornou-se o novo delfim e sucedeu ao seu avô em 1774. Era irmão mais velho dos futuros reis Luís XVIII e Carlos X.
Nascido em Versalhes, recebeu o título de Duque de Berry. Após a morte repentina de seu pai Luís Fernando, tornou-se o novo herdeiro da França em 1765 e foi coroado Rei aos 19 anos. A primeira parte de seu reinado foi marcada por tentativas de reformar a França, de acordo com os ideais iluministas. Estes incluíram esforços para abolir a servidão, remover a taille, e aumentar a tolerância em relação aos protestantes. A nobreza francesa reagiu com hostilidade às reformas propostas e opôs-se com sucesso à sua implementação. Em seguida ocorreu o aumento do descontentamento entre as pessoas comuns. Em 1776, Luís XVI apoiou ativamente os colonos norte-americanos, que buscavam a sua independência da Grã-Bretanha, que foi realizada no Tratado de Paris de 1783.
A dívida e crise financeira que vieram em seguida contribuíram para a impopularidade do Antigo Regime, que culminou no Estado Geral de 1789. O descontentamento entre os membros das classes média e baixa da França resultou em reforçada oposição à aristocracia francesa e à monarquia absoluta, das quais Luís e a sua esposa, a rainha Maria Antonieta, eram vistos como representantes. Em 1789, a tomada da Bastilha, durante os distúrbios em Paris, marcou o início da Revolução Francesa. A indecisão e conservadorismo de Luís levaram algumas percepções ao povo da França em vê-lo como um símbolo da tirania do Antigo Regime e sua popularidade deteriorou-se progressivamente. A sua desastrosa fuga de Varennes, em junho de 1791, quatro meses antes da monarquia constitucional ser declarada, parecia justificar os rumores de que o rei amarrou suas esperanças de salvação política nas perspectivas de alguma invasão estrangeira. A sua credibilidade ficou extremamente comprometida. A abolição da monarquia e a instauração da república tornaram-se possibilidades cada vez maiores.
Num contexto de guerra civil e internacional, o rei foi suspenso e preso na época da insurreição de 10 de agosto de 1792, um mês antes da monarquia constitucional ser abolida e a Primeira República Francesa ser proclamada, em 21 de setembro. Foi julgado pela Convenção Nacional (auto-instituída como um tribunal para a ocasião), considerado culpado de alta traição e executado na guilhotina, em 21 de janeiro de 1793, como um cidadão francês dessacralizado, conhecido como "Cidadão Luís Capeto", um apelido em referência a Hugo Capeto, o fundador da dinastia capetiana – que os revolucionários interpretavam como o seu nome de família. Depois de inicialmente considerado tanto um traidor como um mártir, historiadores franceses têm adotado uma visão geral diferente da sua personalidade e papel como rei, descrevendo-o como um homem honesto , impulsionado por boas intenções, mas que não estava à altura da tarefa hercúlea que teria sido uma profunda reforma da monarquia. Foi o único rei da França na história a ser executado, e sua morte pôs fim a mais de mil anos de monarquia francesa contínua.

(...)

Em 15 de janeiro de 1793, a Convenção, composta por 721 deputados, votou sobre o veredicto. Dada a evidência esmagadora de conluio de Luís com os invasores, o veredicto teve uma conclusão precipitada – com 693 deputados votando como culpado, nenhum para absolvição, e 23 abstenções. No dia seguinte, uma votação nominal foi realizada para decidir sobre o destino do ex-rei, e o resultado foi desconfortavelmente perto de uma decisão dramática. Votaram contra a morte e por alguma outra alternativa, principalmente alguns meios de prisão ou o exílio, 288 deputados. Votaram a favor da pena de morte, mas sujeito a uma série de condições dilatórias e reservas, 72 deputados. Votaram pela sua morte imediata 361 deputados. Filipe Égalité, anteriormente o duque de Orleães e primo do ex-rei, votou por sua execução, o que chocou a maioria dos presentes. O próprio Luís comentaria: "Lamento muito pensar que Monsieur d'Orléans, meu parente, deve ter votado pela minha morte."
No dia seguinte, uma moção para conceder a Luís XVI um indulto da sentença de morte foi rejeitado: 310 deputados pediram misericórdia, mas 380 votaram a favor da execução imediata da pena de morte. Esta decisão seria final. Na segunda-feira, 21 de janeiro de 1793, Luís XVI foi decapitado pela guilhotina na Place de la Révolution. O carrasco, Charles-Henri Sanson, testemunhou que o ex-rei tinha bravamente encontrado seu destino. Quando Luís XVI subiu ao cadafalso, apareceu digno e renunciou a seus títulos. Proferiu um curto discurso em que reafirmou sua inocência: "Perdoo aqueles que são a causa de minha morte....". Declarou-se inocente dos crimes de que era acusado, rezando para que seu sangue jamais recaísse sobre a França. Muitos relatos sugerem seu desejo em falar mais, mas Antoine Joseph Santerre, um general da Guarda Nacional, parou o discurso pedindo um rufar de tambores. O ex-rei foi então rapidamente decapitado. Alguns relatos de sua decapitação indicam que a lâmina não rompeu seu pescoço inteiramente na primeira vez. Há também relatos de um grito horrível vindo de Luís após a lâmina cair mas isso é improvável, visto que a lâmina cortou sua coluna. Ficou acordado que, enquanto seu sangue pingava no chão muitos membros da multidão correram para mergulhar seus lenços nele. Este relato foi provado em 2012, depois de uma comparação de ADN ligando o sangue que acreditava-se ser da decapitação de Luís XVI, do ADN retirado de amostras de tecidos originários do que acreditava-se ser a cabeça mumificada de Henrique IV. A amostra do sangue foi tirada a partir de uma cabaça esculpida para comemorar os heróis da Revolução Francesa, que tinha, segundo a lenda, sido utilizada para abrigar o sangue de Luís.
 

A Batalha de Khe Sanh começou há cinquenta anos

Um canhão M107 disparando contra posições vietnamitas

A Batalha de Khe Sanh foi um conflito armado que ocorreu durante a Guerra do Vietname, envolvendo o Exército do Vietname do Sul e Exército dos Estados Unidos, contra o Exército do Povo do Vietname (NVA), a noroeste da província de Quang Tri.

Operações de combate
O comando americano em Saigon acreditou inicialmente que as operações de combate em torno de Khe Sanh durante o verão de 1967 eram apenas parte de uma série de pequenas ofensivas norte vietnamitas, nas regiões fronteiriças.
Essa avaliação logo mudou, quando se descobriu que o Exército do Povo do Vietname (ou NVA, na sigla em inglês) movia forças para a região enquanto caía o inverno. A concentração de forças dos fuzileiros navais americanos (os marines) e as ações em torno de Khe Sahn começaram quando a base foi isolada pelas forças comunistas. Durante uma série de ações desesperadas que duraram 77 dias, a Base de Combate de Khe Sanh (BCKS) e os postos avançados ao seu redor foram mantidos sob constante ataque de morteiros, artilharia e foguetes do NVA. Combates violentos entre as infantarias também foi reportado ao longo de todo o perímetro defensivo.
Durante a batalha uma campanha de bombardeio maciço (Operação Niagara) foi levada a cabo pela Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) para auxiliar a base dos fuzileiros navais norte-americanos. Essa campanha contou com os últimos avanços tecnológicos para localizar as forças do NVA. O esforço logístico para manter a BCKS (ou KSCB, em inglês), quando ela estava isolada, exigiu a implementação de outras inovações táticas a fim de manter os Marines supridos.
Em Março de 1968, uma expedição terrestre (Operação Pegasus) foi executada por uma força-tarefa combinada de Fuzileiros Navais, Exército dos Estados Unidos e Exército do Vietname do Sul. Essa expedição conseguiu romper o cerco aos Marines, constituindo-se em vitória tática dos americanos e seus aliados, mas sem implicações estratégicas no conflito no Vietname.
A luta por Khe Sanh foi sangrenta e extremamente brutal para os homens envolvidas nela. Os combates nas regiões ao redor da base também foram particularmente violentos e, apesar do alto custo em vidas, não deu grandes conquistas para qualquer um dos lados.

Um A-4E Skyhawk americano bombardeando os vietnamitas entrincheirados ao redor da base

sábado, janeiro 20, 2018

Charles Taylor, ex-presidente da Liberia condenado por crimes contra a humanidade, faz hoje setenta anos

Charles McArthur Ghankay Taylor (Arthington, 28 de janeiro de 1948) é um economista e político que foi presidente da Libéria de 1997 a 2003. Era um líder militar proeminente na guerra civil liberiana da década de 90, foi eleito presidente, preso, foragido com apoio americano e forçado a exilar-se. Pelas suas ações, consideradas cruéis dentro do seu próprio país, e também por sua participação na violenta Guerra Civil de Serra Leoa, Taylor passou a ser considerado um criminoso de guerra e foi posteriormente detido pela ONU e acusado formalmente de perpetrar crimes contra a humanidade.
  
Biografia
Nasceu em 1948, filho de libero-americanos, estudou nos Estados Unidos. Voltou à Libéria quando ocorreu o golpe de Estado de Samuel Kanyon Doe em 1980, que foi bem sucedido, sendo encarregado de controlar o orçamento de Estado. Todavia, desviou cerca de um milhão de dólares e, assim, Taylor regressou aos Estados Unidos, mesmo enfrentando um pedido de extradição do governo da Libéria.
Charles Taylor foi exilado para a Serra Leoa, depois de ter sido capturado na Nigéria, próximo dos Camarões, de onde se preparava para fugir, com duas malas cheias de dólares e euros.
O Tribunal Especial para a Serra Leoa foi criado para "julgar todos os que têm grande responsabilidade pelos crimes contra a Humanidade e de Guerra". Charles Taylor foi acusado por 17 crimes de guerra e contra a humanidade, incluindo aterrorizar a população, assassinatos ilegais, violência sexual e física, recrutamento forçado de crianças-soldado, sequestros (raptos), trabalho forçado e ataques ao pessoal da ONU, entre outros.

Julgamento e condenação 
Taylor foi condenado por um órgão ligado às Nações Unidas e à Serra Leoa, tornando-se o primeiro ex-chefe de nação a ser condenado pela justiça internacional. Charles Taylor foi condenado a 50 anos de prisão pelo Tribunal Especial para Serra Leoa, sendo o seu julgamento realizado em Haia, nos Países Baixos.

O ator Lorenzo Lamas faz hoje sessenta anos

Lorenzo Fernando Lamas-Craig (Santa Mónica, Califórnia, 20 de janeiro de 1958) é um actor norte-americano.
A sua estreia no cinema foi um pequeno papel em 100 Rifles (1969), de Tom Gries. Atuou em filmes como: Grease - Brilhantina (1978), Irmãos até à Morte (1994), Circuito Diabólico (2002), Paraíso Perigoso (2003), Mal Profundo (2004), O Dragão Latino (2004), Letal - Missão Arriscada (2005) e O Diabo Veste de Saias (2007). Na televisão ficou conhecido como Lance Cumson, na série Falcon Crest, entre 1981 e 1990.
Em 1985 foi indicado para o Framboesa de Ouro de pior ator por sua atuação em Body Rock.
Em 2009, participou de um reality show denominado Leave It to Lamas (E!), que trata do quotidiano da sua família. Lorenzo é filho de Fernando Lamas e Arlene Dahl.

Luciano Camargo faz hoje 45 anos

Welson David de Camargo (Pirenópolis, 20 de janeiro de 1973) mais conhecido como Luciano Camargo, é um cantor brasileiro, membro da dupla Zezé Di Camargo & Luciano.
 
 

O astrónomo Simon Marius nasceu há 445 anos

Simon Marius, latinizado, do nome alemão, Simon Mayr, (Gunzenhausen, 20 de janeiro de 1573 - Ansbach, 5 de janeiro de 1625) foi um astrónomo alemão.
Em 1614 Marius publicou a obra Mundus Iovalis, descrevendo o planeta Jupiter e as suas luas. Na obra afirmou ter descoberto as quatro maiores luas de Júpiter dias antes de Galileu e tal afirmação deu início a uma disputa com Galileu. Considera-se possível que Marius tenha descoberto as luas de Júpiter independentemente, mas pelo menos alguns dias depois que Galileu; se tal afirmação for verdadeira, Marius seria a única pessoa que observou as luas no período anterior à publicação das observações de Galileu. Independente desta questão, os nomes mitológicos pelos quais estas luas são conhecidas atualmente (Io, Europa, Ganímedes e Calisto) foram dados por Marius.
Simon Marius também afirmava ser o descobridor da Nebulosa de Andrómeda, que na realidade já era conhecida desde a Idade Média por astrónomos árabes.

Benjamin Biolay, músico da nouvelle chanson, faz hoje 45 anos

Benjamin Biolay (Villefranche-sur-Saône, 20 de janeiro de 1973) é um cantor, compositor, multi-instrumentista, arranjador e produtor francês, mais conhecido pelas suas colaborações com os cantores Henri Salvador, Keren Ann, Coralie Clément (a sua irmã mais nova) e Heather Nova, entre outros. Foi casado com a actriz Chiara Mastroianni, com quem teve uma filha.
Comparado por muitos a Serge Gainsbourg, Biolay é tido como um dos principais expoentes da nouvelle chanson, nome dado a um novo género de música francesa que reinventa a tradição da chanson, adicionando-lhe elementos de pop, rock e música electrónica.
 
 

sexta-feira, janeiro 19, 2018

O músico Carl Perkins morreu há vinte anos

Carl Lee Perkins (Tiptonville, 9 de abril de 1932 - Jackson, 19 de janeiro de 1998) foi um cantor norte-americano de rockabilly, uma mistura de rhythm and blues e country music que se desenvolveu na Sun Records em Memphis, Tennessee no começo dos anos 50. Foi considerado o 88º melhor guitarrista de todos os tempos pela revista norte-americana Rolling Stone.
 

Eugénio de Andrade nasceu há 95 anos

 Eugénio de Andrade (imagem daqui)
Escultura de José Rodrigues (1936-) 
 
Eugénio de Andrade, pseudónimo de José Fontinhas (Póvoa de Atalaia, 19 de janeiro de 1923 - Porto, 13 de junho de 2005) foi um poeta português.
  
 

Fausto e Zeca - Não Canto Porque Sonho

Não canto porque sonho

Não canto porque sonho.
Canto porque és real.
Canto o teu olhar maduro,
o teu sorriso puro,
a tua graça animal.

Canto porque sou homem.
Se não cantasse seria
somente um bicho sadio
embriagado na alegria
da tua vinha sem vinho.

Canto porque o amor apetece.
Porque o feno amadurece
nos teus braços deslumbrados.
Porque o meu corpo estremece
por vê-los nus e suados.

in As mãos e os frutos (1948) - Eugénio de Andrade

Janis Joplin nasceu há 75 anos

Janis Lyn Joplin (Port Arthur, 19 de janeiro de 1943 - Los Angeles, 4 de outubro de 1970) foi uma cantora e compositora norte-americana, considerada a "Rainha do Rock and Roll", "a maior cantora de rock dos anos 60" e "a maior cantora de blues e soul da sua geração", alcançou proeminência no final dos anos 60 como vocalista da Big Brother and the Holding Company e, posteriormente, como artista a solo, acompanhada das suas bandas de suporte: a Kozmic Blues e a Full Tilt Boogie.
Influenciada por grandes nomes do jazz e do blues, como Aretha Franklin, Billie Holiday, Etta James, Tina Turner, Big Mama Thornton, Odetta, Leadbelly e Bessie Smith, Janis fez, da sua voz, a sua característica mais marcante, tornando-se um dos ícones do rock psicadélico e dos anos 60. Todavia, problemas com drogas e álcool encurtaram a sua carreira. Morta em 1970 devido a uma overdose de heroína, Janis lançou apenas quatro álbuns: Big Brother and the Holding Company (1967), Cheap Thrills (1968), I Got Dem Ol' Kozmic Blues Again Mama! (1969) e o póstumo Pearl (1971), que foi o último álbum com participação direta da cantora.
   

A cantora brasileira Loalwa Braz foi assassinada há um ano

Loalwa Braz Vieira (Rio de Janeiro, 3 de junho de 1953 - Saquarema, 19 de janeiro de 2017) foi uma cantora e empresária brasileira. Viveu entre a França e o Brasil, desde 2001, e na Suíça, desde 2010, tendo sido a vocalista do grupo Kaoma.
   
Biografia
Nascida e criada em Jacarepaguá, zona oeste do Rio, numa família de classe média composta por músicos. O seu pai era chefe de orquestra popular, e a mãe, pianista clássica. A artista sempre foi influenciada pela música e desde a infância decidiu seguir este caminho. Com o piano clássico aos quatro anos, até à canção, onde ela começa sua carreira aos 12 anos de idade. Sofreu de preconceitos no início da sua carreira, pois apesar de ter formação em música clássica, optou por cantar ritmos mais populares, a sua grande marca de sucesso.
Em 1985, decide viver em Paris após o show Brésil en Fête no Palais des Sports. Após um concurso para escolher uma vocalista para um grupo de lambada, Loalwa passou a integrar a banda Kaoma, grupo que durou de 1989 até 1998, quando lançou o seu último álbum na Europa. Loalwa nunca parou e seguiu cantando em português, continuando a levar o ritmo pelo mundo.
Loalwa apresentou-se no Paradis Latin, Méridien (Paris), Olympia (88 e 92), TLP Dejazet, New Morning, Zenith, Madison Square Garden, London Palladium, Waldorf, Astoria e outros.
Loalwa compôs e cantou três músicas para a indústria cinematográfica; duas canções no filme Le Roi Desperados - produzido pelo estúdio de televisão francês Canal+ - e interpretou com a Orquestra Filarmónica de Londres, na banda sonora do filme Dis-moi oui; dirigido por Alexandre Arcady e com música de Phillipe Sarde.
Seguia a sua carreira a solo e dirigia também a sua firma Braz Brasil Produções, voltada para a divulgação das artes brasileiras através dos continentes.
Em 2011 lançou novo disco a solo, Ensolarado, com participação de artistas da África, Caraíbas e América Latina.
  
Vida pessoal
Quando mudou para Paris, em 1985, cantava jazz em clubes e casas noturnas, onde conheceu um francês, com quem se casou e teve dois filhos. Antes de morrer, estava casada, mas o marido ficou na França, enquanto ela foi morar na sua pousada na Região dos Lagos, no estado do Rio de Janeiro. A cantora estava a tratar um cancro antes de falecer.
  

Morte 
Foi encontrada morta dentro de um carro incendiado em Saquarema, na região dos Lagos do Rio, na manhã de 19 de janeiro de 2017. De acordo com a investigação policial, foi assassinada por um dos seus funcionários, que trabalhava na pousada da cantora há apenas 15 dias.
  
in Wikipédia
  

Elis Regina morreu há 36 anos

Elis Regina Carvalho Costa (Porto Alegre, 17 de março de 1945  - São Paulo, 19 de janeiro de 1982) foi uma cantora brasileira., conhecida por sua presença de palco, sua voz e sua personalidade. Com os sucessos de Falso Brilhante e Transversal do Tempo, ela inovou os espetáculos musicais no país e era capaz de demonstrar emoções tão contrárias, como a melancolia e a felicidade, numa mesma apresentação ou numa mesma música.
Como muitos outros artistas do Brasil, Elis surgiu dos festivais de música na década de 60 e mostrava interesse em desenvolver o seu talento através de apresentações dramáticas. O seu estilo era altamente influenciado pelos cantores do rádio, especialmente Ângela Maria, e a fez ser a grande revelação do festival da TV Excelsior em 1965, quando cantou "Arrastão" de Vinicius de Moraes e Edu Lobo. Tal feito lhe conferiu o título de primeira estrela da canção popular brasileira na era da TV. Enquanto outras cantoras contemporâneas como Maria Bethânia se haviam especializado e surgido em teatros, ela deu preferência às rádios e televisões. Os seus primeiros discos, iniciando com Viva a Brotolândia (1961), refletem o momento em que foi do Rio Grande do Sul para o Rio de Janeiro, e que teve exigências de mercado e dos media. Transferindo-se para São Paulo em 1964, onde ficaria até à sua morte, logrou sucesso com os espetáculos do Fino da Bossa e encontrou uma cidade efervescente onde conseguiria realizar os seus planos artísticos. Em 1967, casou-se com Ronaldo Bôscoli, diretor do Fino da Bossa, e ambos tiveram João Marcelo Bôscoli.
Elis Regina aventurou-se por muitos géneros; da MPB, passando pela bossa nova, o samba, o rock ao jazz. Interpretando canções como "Madalena", "Como Nossos Pais", "O Bêbado e a Equilibrista", "Querelas do Brasil", que ainda continuam famosas e memoráveis, registou momentos de felicidade, amor, tristeza, patriotismo e ditadura militar no país. Ao longo de toda a sua carreira, cantou canções de músicos até então pouco conhecidos, como Milton Nascimento, Ivan Lins, Renato Teixeira, Aldir Blanc, João Bosco, ajudando a lançá-los e a divulgar as suas obras, impulsionando-os no cenário musical brasileiro. Entre outras parcerias, são célebres os duetos que teve com Jair Rodrigues, Tom Jobim, Wilson Simonal, Rita Lee, Chico Buarque - que quase foi lançado por ela, não fosse Nara Leão ter gravado com ele antes - e, por fim, o seu segundo marido, o pianista César Camargo Mariano, de quem teve os filhos Pedro Mariano e Maria Rita. Mariano também a ajudou a arranjar muitas músicas antigas e dar novas roupagens a elas, como com "É Com Esse Que Eu Vou".
A sua presença artística mais memorável talvez esteja registada nos álbuns Em Pleno Verão (1970), Elis & Tom (1974), Falso Brilhante (1976), Transversal do Tempo (1978), Saudade do Brasil (1980) e Elis (1980). Ela foi a primeira pessoa a inscrever a própria voz como se fosse um instrumento, na Ordem dos Músicos do Brasil. Elis Regina morreu precocemente, em 1982, com apenas 36 anos, deixando uma vasta obra na música popular brasileira. Embora haja controvérsias e contestações, os exames comprovaram que havia morrido por conta de altas doses de cocaína e bebidas alcoólicas, e o facto chocou profundamente o país na época.
Em 2013, foi eleita a segunda melhor voz da música brasileira pela revista Rolling Stone Brasil, superada apenas por Tim Maia. Elis foi citada também na lista dos maiores artistas da música brasileira, ficando na 14ª posição, sendo a mulher mais bem colocada.
  
  

quinta-feira, janeiro 18, 2018

O astronauta Jeffrey Williams faz hoje sessenta anos

Jeffrey Nels Williams (Winter, 18 de janeiro de 1958) é um astronauta norte-americano, veterano de missões no vaivem espacial, nas naves Soyuz russas e na Estação Espacial Internacional. É o astronauta da NASA com mais tempo de permanência acumulada no espaço, num total de 534 dias em quatro missões espaciais.

O Levantamento do Gueto de Varsóvia começou há 75 anos

O Levantamento do Gueto de Varsóvia foi um ato de resistência no Gueto de Varsóvia, na Polónia em 1943, contra a ocupação nazi alemã. Nessa altura já se tinham dado os transportes da maioria dos habitantes do gueto. Cerca de 300 mil das 380 mil pessoas no gueto tinham sido levadas para o campo de extermínio de Treblinka, onde foram assassinadas imediatamente após a sua chegada, no final do verão de 1942. Os restantes habitantes do gueto sabiam agora o que os esperava e muitos deles preferiam morrer a lutar, em vez de morrer numa câmara de gás. A revolta foi esmagada pelo Gruppenführer da SS (então apenas Brigadeführer) Jürgen Stroop.
  
(...)
  
O primeiro conflito ocorreu a 18 de janeiro de 1943, quando vários batalhões da SS marcharam rumo ao gueto, mas foram atacados, sendo obrigados retirar. Os combatentes judeus tiveram algum sucesso: os transportes pararam após 4 dias e as duas organizações de resistência, a ZOB e ZZW tomaram o controle do gueto, montando vários postos de combate e operando contra colaboradores judeus.
 

Os primeiros colonos britânicos chegaram à Austrália há 230 anos

A chamada "First Fleet" (Primeira Frota) é o nome pela qual é conhecida a frota britânica que conduziu os primeiros colonos para a Austrália.
Era constituída por onze embarcações sob o comando do Almirante Arthur Phillip, tripuladas por duzentos e trinta homens (marinheiros e oficiais), vinte e sete dos quais acompanhados por suas famílias, inclusive trinta e sete crianças.
Nos porões, a ferros, transportavam setecentos e trinta e seis degredados e cento e oitenta e oito mulheres de reputação duvidosa. A esquadra passou pela baía de Guanabara em 1787, onde, no mês de agosto, teve a oportunidade de realizar um levantamento hidrográfico.
A frota atracou em Botany Bay a 18 de janeiro de 1788.

Hoje é dia de recordar o madrigalista Alfonso Ferrabosco, o Velho,

Alfonso Ferrabosco (baptized 18 January 1543 – 12 August 1588) was an Italian composer. While mostly famous as the solitary Italian madrigalist working in England, and the one mainly responsible for the growth of the madrigal there, he also composed much sacred music. He also may have been a spy for Elizabeth I while he was in Italy.
His son, Alfonso Ferrabosco the younger was also a composer.

Biography
He was the eldest son of Domenico Ferrabosco, and a member of an aristocratic Bolognese family which had many musicians among its members. Alfonso was born in Bologna. Little is known about his early life, but he is known to have spent part of it in Rome and part in Lorraine in the service of Charles of Guise. In 1562, probably with his uncle, he came to England for the first time, where he found employment with Elizabeth I. Throughout his life he made periodic trips to Italy, not without controversy, for evidently neither the Pope nor the Inquisition fully approved of his spending time in England, which was in the late 16th century actively at war with Roman Catholic countries. While in England, he lost his Italian inheritance, and while away in Italy he was charged with certain crimes in England (including robbing and killing another foreigner). While he was successful in clearing his name, he left England in 1578 and never returned; he died in Bologna.
Many have said that he was a secret service agent for Elizabeth, working during a time when such intelligence was desperately needed; however, little more than circumstantial evidence has ever been produced on this allegation. He was certainly unusually well-paid for a musician at the court of Elizabeth. Attempts by Elizabeth to get him to return to England after 1580 were fruitless.

Music
Ferrabosco brought the madrigal to England. While he did not start the madrigal craze there - that really began in 1588 with the publication of Nicholas Yonge's Musica Transalpina, the popularity of which was such that the madrigal instantly became the most prevalent type of composition in England - he did plant the seeds for this development. Ferrabosco's style may have been tame and conservative by the standards of a Marenzio or a Luzzaschi, but it was harmonious with English taste. Most of his madrigals were for five or six voices, were light in style, and largely ignored the progressive developments in Italy such as expressive chromaticism and word-painting. Technically they were skillful, and this is the quality that impressed the English commentators the most: "deep skill" was the phrase Thomas Morley used to describe his work when he published several of his compositions in a collection of 1598, ten years after his death. Robert Dow also included two of his works in his manuscript, now known as the Dow Partbooks.
In addition to the madrigals, Ferrabosco wrote sacred music, including motets, lamentations, and several anthems, all in a cappella vocal style. He also wrote instrumental music: fantasias, pavans, galliards, In Nomines, and passamezzos, for a variety of instrumental combinations including lute and viols.


quarta-feira, janeiro 17, 2018

Bobby Fischer morreu há dez anos

Robert James "Bobby" Fischer (Chicago, 9 de março de 1943Reykjavík, 17 de janeiro de 2008) foi um grande mestre de xadrez dos Estados Unidos da América  e décimo primeiro campeão mundial de xadrez. É considerado por muitos o maior xadrezista de todos os tempos. Em 1972, venceu o Campeonato Mundial de Xadrez ao derrotar o soviético Boris Spassky numa partida disputada em Reykjavík, Islândia, considerada um confronto símbolo da Guerra Fria, que atraiu um interesse mediático maior que qualquer outra partida de xadrez já disputada. Em 1975, Fischer recusou-se a defender seu título ao não chegar a um acordo com a Federação Internacional de Xadrez (FIDE) em relação ao modelo de disputa da partida. A desistência tornou Anatoly Karpov, campeão do Torneio de Candidatos de 1974, o novo campeão mundial.

Fischer demonstrava uma habilidade natural para o xadrez desde cedo. Aos 13 anos, venceu a chamada "Partida do Século" contra Donald Byrne. Começando em 1957, aos 14 anos, participou em oito Campeonatos de Xadrez dos Estados Unidos, vencendo todos com pelo menos 1 ponto de vantagem sobre seus oponentes. Aos 15, Fischer tornou-se o grande mestre de xadrez mais novo da história até então e o candidato mais novo ao campeonato mundial.

Aos 20 anos de idade, Fischer venceu o Campeonato dos Estados Unidos de 1963–64 com uma pontuação de 11/11, a única pontuação perfeita da história do campeonato. O seu livro My 60 Memorable Games, publicado em 1969, tornou-se um ícone da literatura de xadrez. Venceu o Torneio Interzonal de 1970 com um número recorde de 3½ pontos do segundo, vencendo 20 partidas consecutivas, incluindo duas com o total perfeito de 6–0 no Torneio de Candidatos de 1971, algo inédito na história da competição. Em julho de 1971, tornou-se o primeiro número 1 oficial do ranking FIDE.

Após perder o título mundial, Fischer tornou-se recluso e, de certa forma, excêntrico, desaparecendo tanto dos campeonatos de xadrez quanto dos media. Em 1992, reapareceu numa revanche contra Spassky, na Jugoslávia, país que, à época, estava sob embargo da ONU. A sua participação na partida gerou um conflito com o governo norte-americano, que pediu op pagamento de impostos sobre o prémio pela sua vitória, chegando a emitir um mandato de prisão para Fischer. Após esses acontecimentos, passou a viver no exílio. Em 2004, foi preso no Japão por utilizar de um passaporte que havia sido revogado pelo governo dos Estados Unidos. O parlamento islandês ofereceu -lhe passaporte e cidadania islandeses, permitindo-o viver no país até à sua morte, em 2008.

Fischer fez inúmeras contribuições adicionais para o xadrez. Na década de 1990, patenteou um sistema modificado de relógio de xadrez, que adiciona um incremento no tempo após cada movimento, sendo hoje a prática padrão em torneios de alto nível. Também é de sua invenção uma variante do jogo chamada "xadrez aleatório de Fischer" (também conhecida como "Chess960").

Dalida nasceu há oitenta anos

Dalida, nascida Iolanda Cristina Gigliotti (Cairo, 17 de janeiro de 1933 - Paris, 3 de maio de 1987), foi uma famosa cantora, dançarina, modelo e atriz ítalo-egípcia, mais tarde naturalizada francesa. Dalida foi eleita Miss Egito (ainda como Iolanda Gigliotti) em 1954, aos 21 anos de idade, e, após aparecer nalguns filmes no Egito (creditada como Dalila), mudou-se para a França, onde deu início à sua respeitável carreira musical. Ela vendeu mais de 170 milhões de cópias, recebeu 55 discos de ouro e foi a primeira cantora a receber um Disco de Diamante, tornando-se conhecida como uma das mais notáveis artistas poliglotas a gravar no século XX.
Dalida gravou canções em 10 idiomas: francês, italiano, alemão, espanhol, inglês, árabe, japonês, holandês, hebraico e grego. O seu idioma materno era o italiano, apesar de ter aprendido o árabe egípcio e também o francês enquanto crescia no Cairo. Ela aprimoraria o seu francês na fase adulta, após se estabelecer em Paris em 1954, tornando-se em seguida fluente em inglês e aprendendo também conversações básicas em alemão e espanhol, além de possuir certa facilidade em cumprimentar seus fãs do Japão utilizando japonês básico.
Quatro discos de Dalida em inglês (Alabama Song, Money Money, Let Me Dance Tonight, e Kalimba de Luna) obtiveram bastante sucesso, principalmente na França e Alemanha, sem mesmo terem sido lançadas nos mercados dos Estados Unidos e Reino Unido. Ela juntou ao longo de sua carreira mais de 19 músicas de sucesso atribuídas ao seu nome, além de possuir uma longa lista de sucessos nas paradas Top 10 e Top 20 em francês, italiano, alemão, espanhol e árabe. Ao longo de sua carreira, o seu sucesso de vendas de compactos e discos foi ininterrupto, perdurando por mais de 30 anos na França, Itália, Alemanha, Bélgica, Espanha, Holanda, Luxemburgo, Suíça, Áustria, Egito, Jordânia, Líbano, Grécia, Canadá, Rússia, Japão e Israel. A sua morte em 1987, aos 54 anos, fez com que lhe fosse atribuída uma imagem icónica de diva trágica, em conjunto com a imagem de cantora de renome que já tinha consolidado. Dalida foi postumamente homenageada pelo "International Star Registry" (EUA), com a emissão de um diploma, concedido um ano após sua morte.
(...)
Após 31 anos de sucesso ininterrupto, Dalida tinha uma incrível habilidade de transmitir alegria e otimismo, apesar de estar tão ferida sentimentalmente. Dalida teve na sua vida três homens suicidas  e sentia-se cada vez mais sozinha e pesarosa por passar a sua vida inteira dedicada à sua carreira e a homens que ela acreditava serem o ideal a cada relacionamento, além do facto de não ter podido ser mãe. Os passar dos anos começaram a pesar-lhe. Talvez a canção dela que mais justifique o seu sofrimento seja "Je suis malade".
Após anos de buscas através da filosofia, religião e misticismo a fim de preencher o vazio que a colocara em profunda solidão, em virtude de abandonos afetivos e juras não cumpridas, Dalida suicidou-se, aos 54 anos de idade, no dia 3 de maio de 1987, ingerindo uma elevada dose de barbitúricos, por achar que já tinha dado tudo de si e que nada mais seria novidade para uma profissional que trabalhava incessantemente. Deixou duas cartas: uma ao seu irmão Orlando e outra ao seu companheiro, François Naudy, além de uma nota de suicídio aos seus fãs com a frase: “Pardonnez-moi, la vie m'est insupportable” (Perdoem-me, a minha vida tornou-se insuportável).
  
  

Ricky Wilson, o vocalista da banda britânica Kaiser Chiefs, faz hoje 40 anos

Charles "Ricky" Richard Wilson (Leeds, 17 de janeiro de 1978) é o vocalista da banda britânica Kaiser Chiefs.

Vida e Carreira
O artista nasceu em Keighley, West Yorkshire, Inglaterra. Filho de um produtor de televisão da BBC, estudou na Leeds Boys Grammar School e Leeds College of Art and Design, formando-se em Artes Plásticas.
Antes da banda Kaiser Chiefs, Ricky também foi vocalista da banda rock de garagem Parva (ou Ruston Parva, nome anteriormente), formada em 1997, com os mesmos integrantes.
Atualmente vive na cidade de Leeds, Inglaterra.

Característica e estilo
Wilson é conhecido por usar blazers, coletes, stripy transformar-up, jeans e sapatos winkle picker, um estilo que lhe rendeu o prémio NME Shockwaves de "Pessoa mais bem vestida de 2006".
Wilson também é conhecido pelo seu comportamento no palco, pois ele sobe a andaimes regularmente em festivais, como no Rock Festival Werchter de 2008, na Bélgica.
Ele percorreu a multidão e começou a subir à caixa de mistura, em frente ao palco, afirmando que estava "a assistir (ao concerto) da minha banda favorita no momento", uma referência aos seus companheiros de banda, que continuavam a tocar no palco.
As suas palhaçadas no palco causaram-lhe ferimentos no passado, como quando rasgou os ligamentos de um tornozelo ao pular do palco num concerto em Portugal.
Outras aparições
Em 2005 e 2006, Ricky participou do programa de televisão Never Mind the Buzzcocks, da BBC. Em 2009 fez uma pequena aparição no filme St Trinian's 2: The Legend of Fritton's Gold. Em 2010, fez outra pequena aparição no filme Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1. Em 2012, entrou no musical The War of the Worlds. No dia 19 de Setembro de 2013, confirmou que se tornaria treinador no programa The Voice UK, juntamente com a cantora australiana Kylie Minogue, substituindo o cantor irlandês Danny O'Donoghue.