terça-feira, janeiro 16, 2018

O realizador John Carpenter faz hoje setenta anos

John Howard Carpenter (Carthage, Nova Iorque, 16 de janeiro de 1948) é um realizador, argumentista, produtor, editor e compositor de cinema norte-americano. Apesar de Carpenter ter trabalhado em vários géneros de cinema, está mais associado aos filmes do género de terror e de ficção cientifica dos anos de 70 e 80.
Grande parte dos filmes da carreira de Carpenter foram fracassos tanto a nível critico como comercial, exceptuando notavelmente Halloween (1978), Escape from New York (1981) e Starman (1984). No entanto, muitos dos seus filmes de 70 e de 80, como Dark Star (1974), Assault on Precinct 13 (1976), The Fog (1980), The Thing (1982), Christine (1983), Big Trouble in Little China (1986), Prince of Darkness (1987) e They Live (1988) tornaram-se desde então clássicos de culto e Carpenter tornou-se reconhecido como um cineasta influente.
Carpenter também se tornou notável por ter composto (ou em parceria) grande parte da banda sonora dos seus filmes; algumas dessas são hoje em dia consideradas bandas sonoras de culto, com o tema principal da Halloween, a ser visto como parte da cultura popular. O seu primeiro álbum de estúdio, Lost Themes, foi lançado em 2015 e o seu filme Vampires (1998) ganhou um Prémio Saturn para Melhor Música.

segunda-feira, janeiro 15, 2018

Ronnie Van Zant nasceu há setenta anos

Ronald Wayne "Ronnie" Van Zant (Jacksonville, Flórida, 15 de janeiro de 1948Gillsburg, Mississippi, 20 de outubro de 1977) foi o vocalista, compositor e membro fundador da banda de southern rock Lynyrd Skynyrd.
  
Lynyrd Skynyrd
Van Zant formou os Lynyrd Skynyrd no verão de 1964 com amigos e colegas de escola: Allen Collins (guitarra), Gary Rossington (guitarra), Larry Junstrom (baixo), e Bob Burns (baterista). O nome Lynyrd Skynyrd foi inspirado num professor que tinham na escola: Leonard Skinner, que não gostava de estudantes com cabelos longos.
O reconhecimento nacional da banda deu-se em 1973, com o lançamento do álbum (Pronounced 'Lĕh-'nérd 'Skin-'nérd) com algumas das músicas favoritas dos fãs como: "I Ain't The One", "Tuesday's Gone", "Gimme Three Steps", "Simple Man" e "Freebird". A música que se tornou mais conhecida da banda foi "Sweet Home Alabama" do álbum Second Helping
 
Vida Pessoal
Van Zant casou duas vezes. O seu primeiro casamento foi com Nadine Inscoe e desse casamento nasceu a sua primeira filha, Tammy Van Zant. Casou pela segunda vez com Judy Seymour e teve a sua segunda filha, Melody Van Zant. Van Zant era conhecido por ser supersticioso; odiava cobras e detestava voar.
 
Morte
No dia 20 de outubro de 1977 o avião Convair 240 que transportava toda a banda de Greenville, South Carolina para Baton Rouge, Louisiana caiu em Gillsburg, Mississippi. Nesse acidente morreram Van Zant, os membros da banda Steve Gaines e Cassie Gaines, um produtor assistente da banda, o piloto e o co-piloto. Os restante elementos da banda sobreviveram, mas seriamente feridos.
Ronnie sempre disse às pessoas mais próximas que ele não viveria até aos seus 30 anos e que gostaria de morrer com as suas botas. Estranhamente morreu 3 meses antes de seu trigésimo aniversário.
O irmão mais novo de Ronnie, Johnny Van Zant tornou-se o novo vocalista da banda quando ela se reuniu novamente em 1987.
  
  

Lloyd Bridges nasceu há 105 anos

Lloyd Vernet Bridges, Jr. (San Leandro, 15 de janeiro de 1913Los Angeles, 10 de março de 1998) foi um ator norte-americano, que participou em inúmeras séries de televisão e apareceu em mais de 150 filmes. Bridges é mais conhecido pelo personagem Mike Nelson na série de televisão Sea Hunt (1958). É pai dos também atores Beau Bridges e Jeff Bridges.

Nasser nasceu há um século

Gamal Abdel Nasser (Alexandria, 15 de janeiro de 1918 - Cairo, 28 de setembro de 1970) foi um militar e político egípcio, presidente de seu país de 1954 até à sua morte.
Depois de ter frequentado o ensino liceal entrou na Real Academia Militar, na qual se formou em 1938, onde terá reunido os membros do Movimento dos Oficiais Livres. A sua sociedade revolucionária planeava mudar o rumo dos acontecimentos. Para tal pretendia afastar o rei Faruk I, aproveitando o insucesso da campanha egípcia contra Israel em 1948 e conduziu a uma radical alteração das políticas governamentais. No ano seguinte 1953 a monarquia foi abolida, implantada uma republica onde passou a ser presidente, e os partidos banidos.
Notabilizou-se, ao lado de Jawaharlal Nehru e outros, como um dos líderes carismáticos do movimento terceiro-mundista, o que lhe rendeu grande fama em todos os países do dito "Terceiro Mundo". Nasser promoveu, durante os seus quase vinte anos no poder, forte política nacionalista, fomentando o movimento pan-arabista, e acabou por levar o Egito a uma efémera associação com a Síria (a República Árabe Unida). Um marco importante de sua liderança foi a nacionalização do Canal de Suez, que resultou na Guerra de Suez (1956), em função da resposta militar de França e Inglaterra. As duas potências coloniais do século XIX, contudo, viriam a descobrir que o mundo do pós-Segunda Guerra Mundial já não lhes pertencia. Sem o apoio norte-americano ou soviético, os exércitos francês e britânico foram obrigados a retirar-se do Egito.
A sua maior derrota política e militar foi na guerra dos seis dias em 1967 onde perdeu boa parte do seu poderio militar (aeronáutico), atacado pelos israelitas, quando estava preparado para retomar as colinas de Golan na Síria, invadidas por Israel. Perdeu igualmente parte do Sinai, também para Israel.

O ator Eddie Cahill faz hoje quarenta anos

Edmund Patrick "Eddie" Cahill (Nova Iorque, 15 de janeiro de 1978) é um ator dos Estados Unidos da América. Eddie é descendente de italianos e irlandeses. O seu papel mais conhecido é do detetive Don Flack na série de televisão CSI: NY. Interpretou o personagem Sam na série Under The Dome, de Stephen King. Também interpretou o personagem Mike Dolan na série Glory Days. Eddie já fez participações especiais em várias séries como Sex and the City, Charmed, and Law & Order: Special Victims Unit, também participou da série de maior sucesso de todos os tempos: Friends, onde interpretou Tag Jones, um assistente de Rachel. No cinema, ele interpretou o jogador de hockey Jim Craig no filme Miracle.

domingo, janeiro 14, 2018

A astronauta Shannon Lucid faz hoje 75 anos

Shannon Matilda Wells Lucid (Xangai, 14 de janeiro de 1943) é uma ex-astronauta dos Estados Unidos, veterana de cinco missões espaciais e ex-recordista de permanência no espaço entre as mulheres. Foi a primeira mulher norte-americana a habitar a estação orbital russa Mir e condecorada com a Medalha de Honra Espacial do Congresso, décima pessoa e primeira mulher a receber a honraria.
Shannon nasceu em Xangai, na China, durante a Segunda Guerra Mundial, filha de pastores missionários batistas que se encontravam no país e cresceu na cidade de Bethany, no estado de Oklahoma, Estados Unidos, onde estudou na Universidade de Oklahoma e se formou em bioquímica em 1973.

A Conferência de Casablanca começou há setenta anos

A Conferência de Casablanca foi realizada no Hotel Anfa em Casablanca, Marrocos Francês, de 14 a 24 janeiro de 1943, para planear a estratégia dos Aliados europeus na fase seguinte da Segunda Guerra Mundial. Estiveram presentes o presidente dos Estados Unidos Franklin D. Roosevelt, o primeiro-ministro britânico Winston Churchill e representando as forças francesas livres, os generais Charles de Gaulle e Henri Giraud. O lider da URSS, Estaline, recusou-se a participar, dizendo que o conflito em curso em Estalinegrado exigia a sua presença na União Soviética. A agenda da conferência abordava detalhes do procedimento tático, alocação de recursos e as questões mais amplas de política diplomática. O debate e as negociações produziram o que ficou conhecido como a "Declaração de Casablanca", e que foi, talvez, a sua declaração de propósito mais provocante historicamente, a "rendição incondicional". A doutrina da "rendição incondicional" veio a representar a voz unificada da vontade implacável dos Aliados - a determinação de que as potências do Eixo seriam combatidas até sua derrota final e aniquilação.

Doutrina da "Rendição incondicional"
A declaração de Casablanca anunciou ao mundo que os aliados não aceitariam nada além da “rendição incondicional” das Potências do Eixo. O termo “rendição incondicional” foi utilizado pela primeira vez pelo General Ulysses S. Grant que comunicou essa posição ao comandante confederado no Forte Donelson durante a Guerra civil americana.
A 12 de fevereiro de 1943, Roosevelt explicou na rádio o que ele queria dizer com rendição incondicional: “Nós não falamos de magoar as pessoas comuns dos países do eixo. Mas nós realmente falamos de punir os líderes bárbaros desses países”.
Inicialmente, os Estados Unidos e a Grã-Bretanha não queriam que a guerra acabasse com a captura alemã. Algumas fontes contradizem as oficiais, reportando um acordo entre Churchill e Roosevelt, indicando que Churchill não era completamente a favor da rendição incondicional. O correspondente do New York Times, Drew Middleton, que estava na conferência, revelou no seu livro, Retreat From Victory, que Churchill tinha se "assustado com o anúncio público da rendição incondicional. Eu tentei esconder minha surpresa. Mas eu era o conselheiro de Roosevelt".
De acordo com o embaixador dos Estados Unidos em Moscovo, Charles Bohlen, “A responsabilidade pela doutrina da rendição incondicional é quase exclusiva do presidente Roosevelt". Ele achou que Roosevelt tinha feito o anúncio "para manter as forças soviéticas ocupadas com as frentes alemã e russa, acabando com as munições e com os soldados alemães" e também para "evitar que Estaline negociasse um acordo de paz com o regime nazi".

Lewis Carroll morreu há 120 anos

Charles Lutwidge Dodgson, mais conhecido pelo seu pseudónimo de Lewis Carroll (Daresbury, 27 de janeiro de 1832 - Guildford, 14 de Janeiro de 1898), foi um romancista, contista, fabulista, poeta, desenhista, fotógrafo, matemático e reverendo anglicano britânico. Lecionava matemática no Christ College, em Oxford. É autor do clássico livro Alice no País das Maravilhas, além de outros poemas escritos em estilo nonsense ao longo da sua carreira literária, que são considerados políticos, em função das fusões e da disposição espacial das palavras, como precursores da poesia de vanguarda.

O cantor e ator LL Cool J faz hoje cinquenta anos

James Todd Smith III (Bay Shore, Nova York, 14 de janeiro de 1968), mais conhecido pelo nome artístico de LL Cool J (Ladies Love Cool James, significado do seu nome artístico), é um artista americano de hip-hop e ator. Ele é mais conhecido pelas suas baladas românticas como I Need Love bem como pioneiro do pop rap com I Can't Live Without My Radio, I'm Bad, Boomin System, Mama Said knock You Out,Headsprung e 4,3,2,1. Já atuou também em vários filmes e atualmente faz o papel do Agente Especial Sam Hanna na série NCIS: Los Angeles. LL Cool J é um das poucas estrelas da era do hip-hop da sua geração ainda ativos e com uma carreira próspera por mais de duas décadas. Já lançou 12 álbuns e uma compilação. O álbum, Exit 13, lançado a 4 de setembro de 2007, foi o último álbum de LL Cool J pela Def Jam, uma ligação que durou por 22 anos. LL Cool J significa Ladies Love Cool James. Ele casou-se com Simone I. Johnson, a 9 de agosto de 1995 e o casal tem 4 filhos.

O espetáculo Aloha from Hawaii foi gravado há 45 anos!

Aloha from Hawaii é um álbum e programa especial televisivo de Elvis Presley que foi gravado ao vivo no Hawaii a 14 de janeiro de 1973 e exibido em cerca de 40 países.
Foi o primeiro show de música ao vivo transmitido via satélite, primeiramente exibido nalguns países da Europa, Ásia e Oceania, tendo quebrado todos os recordes de público e sendo exibido dias depois nos demais países. Nos Estados Unidos, o show foi para o ar em abril e teve a maior audiência da história televisiva americana até então, sendo exibido na NBC, superando a audiência da ida do homem à lua, estimada em mais de mil e quinhentos milhões de espectadores, e o disco, como não poderia deixar de ser, foi um grande sucesso de vendas nos EUA, Japão e outros países.
 
(...)
 
Dois dias antes, no dia 12 de janeiro, Elvis fez um show que serviria para o caso de algo de errado acontecesse com a transmissão do dia 14. Esse show foi lançado anos mais tarde e alguns consideram que Elvis está mais solto no palco. Nesse show, Elvis interpreta desde o puro rock dos anos 50, ainda com vontade de cantar esse tipo de música, o que não aconteceria nos anos seguintes, passando por belas baladas, blues, gospel e muito mais. Mostrando que ele poderia cantar em qualquer ritmo e tom, atingindo notas dificílimas, além de um senso rítmico e poder de interpretação raros de se encontrar em cantores populares.
 
 

O matemático Kurt Godel morreu há quarenta anos

O trabalho mais conhecido de Gödel é seu teorema da incompletude, no qual afirma que qualquer sistema axiomático suficiente para incluir a aritmética dos números inteiros não pode ser simultaneamente completo e consistente. Isto significa que se o sistema é auto-consistente, então existirão proposições que não poderão ser nem comprovadas nem negadas por este sistema axiomático. E se o sistema for completo, então ele não poderá validar a si mesmo — seria inconsistente.

sábado, janeiro 13, 2018

Há 65 anos foi "descoberto" um complot para matar Estaline

O complot dos médicos judeus foi, segundo a versão oficial do Estado Soviético, uma conspiração dos médicos judeus, sob ordens da inteligência norte-americana, que teriam como objetivo assassinar os principais quadros do Partido Comunista da União Soviética, inclusive o próprio Estaline.
"Prendam os Médicos Assassinos" - alardeava a manchete do Pravda a 13 de Janeiro de 1953. "Os médicos do Kremlim, judeus na sua maioria, assassinaram os maiores líderes soviéticos, e tramaram contra outros, talvez até contra o próprio Estaline".
Depois da morte de Estaline, em março de 1953, os líderes da União Soviética assumiram que o caso foi fabricado com o objetivo de prender e executar líderes comunistas que se opunham a Estaline. Em abril do mesmo ano, o mesmo Pravda dizia que "os médicos tinham sido presos sem nenhuma base legal" e acrescentava que os "investigadores super zelosos haviam-se esquecido de que estavam ao serviço do povo e que a sua missão era salvaguardar a lei soviética".
Todos os médicos acusados foram inocentados (com exceção de dois, que morreram na prisão...) e reconduzidos aos seus antigos cargos.

O artigo J'accuse foi publicado há 120 anos

 
J'accuse (em português Eu acuso) é o título do artigo redigido por Émile Zola quando do caso Dreyfus e publicado no jornal L'Aurore de 13 de janeiro de 1898 sob a forma de uma carta ao presidente da República Francesa, Félix Faure. Zola inspirou-se num dossiê fornecido em 1896 pelo escritor Bernard Lazare.
  
Contexto
Este artigo é publicado três dias após Esterhazy ter sido declarado inocente pelo Conselho de Guerra (10 de janeiro), o que parecia acabar com toda esperança dos que contavam com uma revisão do processo que condenara Dreyfus. Neste artigo, Zola ataca nominalmente os generais e outros oficiais responsáveis do erro judicial que levou ao processo e à condenação, os especialistas em grafologia culpados de «relatórios mentirosos e fraudulentos». Ainda acusava o exército, culpado de uma campanha de imprensa mentirosa, bem como os dois Conselhos de Guerra: um tendo condenado Dreyfus baseado numa prova mantida em segredo, enquanto o segundo inocentou reconhecidamente culpado. Mas, acima de tudo, proclama desde o início a inocência de Dreyfus :
« Mon devoir est de parler, je ne veux pas être complice. Mes nuits seraient hantées par le spectre de l'innocent qui expie là-bas, dans la plus affreuse des tortures, un crime qu'il n'a pas commis. »
"O meu dever é de falar, não quero ser cúmplice. As minhas noites seriam atormentadas pelo espectro do inocente que paga, na mais horrível das torturas, por um crime que ele não cometeu."

A publicação
O artigo faz a manchete do diário, cujos 300 000 exemplares se esgotam em poucas horas. A emoção é forte, ocasionando um movimento da opinião pública. Vários intelectuais assinam uma petição em favor da revisão do processo, publicada também pelo L'Aurore. Entre eles, Anatole France, Georges Courteline, Octave Mirbeau ou Claude Monet, as assinaturas tendo sido recolhidas por estudantes ou jovens escritores como Marcel Proust. Zola recebe diversas mensagens de apoio, mas também cartas injuriosas e ameaças de carácter anti-semita ou xenófobo (o pai de Zola era italiano). O verdadeiro caso Dreyfus, aquele que vai inflamar as multidões durante vários anos, acaba de nascer.

Sanções e exílio
Na conclusão do artigo, Zola esperava um processo num tribunal criminal a fim de fazer surgir a verdade. Ele será julgado diversas vezes, sendo que o resultado final será uma condenação a 1 ano de prisão e 3.000 francos de multa pelos seus ataques contra o Estado-Maior (Octave Mirbeau paga a multa) e uma condenação a 1 mês de prisão e 1 000 francos de multa pelos seus ataques contra os três especialistas (cada um recebendo 100.000 francos por prejuízos). Para escapar à prisão, Zola exila-se na Inglaterra, onde passará onze meses à espera duma revisão do processo Dreyfus. O comunicado da revisão enviando Dreyfus para um novo Conselho de Guerra é publicado a 3 de junho de 1899. Zola pode então retornar à França, onde ele publica no L'Aurore o artigo Justice, no qual ele se felicita pela decisão. Mas o processo de Rennes será decepcionante para os dreyfusards e Zola continuará a lutar até à sua morte pela reabilitação de Alfred Dreyfus.

A acusação
A título de precisão, o artigo de 13 de janeiro deve seu nome ao facto que, na sua conclusão, todas as frases comecem pela expressão J'accuse (Eu acuso):
  • «J'accuse le lieutenant-colonel du Paty de Clam d'avoir été l'ouvrier diabolique de l'erreur judiciaire, en inconscient, je veux le croire, et d'avoir ensuite défendu son œuvre néfaste, depuis trois ans, par les machinations les plus saugrenues et les plus coupables.
Eu acuso o tenente-coronel du Paty de Clam de ter sido o artífice diabólico do erro judiciário, inconscientemente, quero crer, e de ter em seguida defendido a sua obra nefasta, durante três anos, através de tramas absurdas e culpáveis.
  • J'accuse le général Mercier de s'être rendu complice, tout au moins par faiblesse d'esprit, d'une des plus grandes iniquités du siècle.
Eu acuso o general Mercier de ter-se mostrado cúmplice, ao menos por fraqueza de espírito, de uma das maiores injustiças do século.
  • J'accuse le général Billot d'avoir eu entre les mains les preuves certaines de l'innocence de Dreyfus et de les avoir étouffées, de s'être rendu coupable de ce crime de lèse-humanité et de lèse-justice, dans un but politique et pour sauver l'état-major compromis.
Eu acuso o general Billot de ter tido nas suas mãos as provas certas da inocência de Dreyfus e de tê-las abafado, de se tornar culpado deste crime de lesa-humanidade com um objetivo político e para salvar o Estado-Maior comprometido.
  • J'accuse le général de Boisdeffre et le général Gonse de s'être rendus complices du même crime, l'un sans doute par passion cléricale, l'autre peut-être par cet esprit de corps qui fait des bureaux de la guerre l'arche sainte, inattaquable.
Eu acuso o general de Boisdeffre e o general Gonse de serem cúmplices do mesmo crime, um sem dúvida por razão clerical, o outro talvez devido a esse espírito corporativista que torna os gabinetes de guerra em arcas santas, inatacáveis.
  • J'accuse le général de Pellieux et le commandant Ravary d'avoir fait une enquête scélérate, j'entends par là une enquête de la plus monstrueuse partialité, dont nous avons, dans le rapport du second, un impérissable monument de naïve audace.
Eu acuso o general de Pellieux e o comandante Ravary de terem feito uma sindicância rápida, e quero com isso dizer uma sindicância da mais monstruosa parcialidade, onde temos, no relatório do segundo, um monumento indestrutível de audácia ingénua.
  • J'accuse les trois experts en écritures, les sieurs Belhomme, Varinard et Couard, d'avoir fait des rapports mensongers et frauduleux, à moins qu'un examen médical ne les déclare atteints d'une maladie de la vue et du jugement.
Eu acuso os três especialistas em grafologia, os senhores Belhomme, Varinard e Couard, de terem redigido relatórios mentirosos e fraudulentos, a menos que um exame médico os declare doentes de algum mal da visão e de julgamento.
  • J'accuse les bureaux de la guerre d'avoir mené dans la presse, particulièrement dans L'Éclair et dans L'Écho de Paris, une campagne abominable, pour égarer l'opinion et couvrir leur faute.
Eu acuso os gabinetes de guerra de terem liderado na imprensa, particularmente no L'Éclair e no L'Écho de Paris, uma campanha abominável para distrair a opinião e cobrir seu erro.
  • J'accuse enfin le premier conseil de guerre d'avoir violé le droit, en condamnant un accusé sur une pièce restée secrète, et j'accuse le second conseil de guerre d'avoir couvert cette illégalité, par ordre, en commettant à son tour le crime juridique d'acquitter sciemment un coupable.
Eu acuso finalmente o primeiro Conselho de Guerra de ter violado a lei, ao condenar um acusado apoiado numa prova de acusação mantida secreta, e acuso o segundo Conselho de Guerra de ter encoberto esta ilegalidade, sob ordem, cometendo também o crime jurídico de inocentar um reconhecidamente culpado.»
 
 in Wikipédia

sexta-feira, janeiro 12, 2018

O cantor Maurice Gibb morreu há quinze anos

Maurice Ernest Gibb (Douglas, Ilha de Man, 22 de dezembro de 1949 - Miami, 12 de janeiro de 2003) foi um cantor, compositor, pianista, guitarrista, baixista, teclista e multi-instrumentista britânico, conhecido principalmente por ser um membro dos Bee Gees, um dos grupos de maior sucesso de todos os tempos. Gémeo de Robin Gibb, Maurice era o mais novo por 35 minutos.
  
in Wikipédia
   

Há oito anos um sismo arrasou o Haiti...

Sismo do Haiti de 2010
Porto Príncipe: uma das áreas atingidas pelo sismo de 11 de janeiro de 2010
Localização do epicentro do sismo e a zona mais atingida
Epicentro 18° 27' 25,2" N 72° 31' 58,8" O
Hipocentro 10 km
Magnitude 7,0 MW
Data 12 de janeiro de 2010
Zonas atingidas Haiti
República Dominicana
 Cuba
 Jamaica
 Bahamas
Vítimas 100 000 - 316 000 mortos, 350 000 feridos, mais de 1,5 milhão de afetados e 4 mil amputações
O sismo do Haiti de 2010 foi um terremoto catastrófico que teve seu epicentro na parte oriental da península de Tiburon, a cerca de 25 km da capital haitiana, Porto Príncipe (Port-au-Prince), foi registado às 16h53m10s, hora local (21h53m10s UTC), na terça-feira, 12 de janeiro de 2010. O abalo alcançou a magnitude 7,0 Mw e ocorreu a uma profundidade de 10 km. O Serviço Geológico dos Estados Unidos registou uma série de pelo menos 33 réplicas sismológicas, 14 das quais eram de magnitude 5,0Mw a 5,9Mw. O Comité Internacional da Cruz Vermelha estima que cerca de três milhões de pessoas foram afetadas pelo sismo; o Ministro do Interior do Haiti, Paul Antoine Bien-Aimé, antecipou em 15 de janeiro que o desastre teria tido como consequência a morte de 100 000 a 200 000 pessoas.
O terremoto causou grandes danos a Port-au-Prince, Jacmel e outros locais da região. Milhares de edifícios, incluindo os elementos mais significativos do património da capital, como o Palácio Presidencial, o edifício do Parlamento, a Catedral de Notre-Dame de Port-au-Prince, a principal prisão do país e todos os hospitais, foram destruídas ou gravemente danificadas. A Organização das Nações Unidas informou que a sede da Missão das Nações Unidas para a estabilização no Haiti (MINUSTAH), localizada na capital, desabou e que um grande número de funcionários da ONU havia desaparecido. A morte do Chefe da Missão, Hédi Annabi, foi confirmada a 13 de janeiro pelo presidente René Préval.
Muitos países responderam aos apelos pela ajuda humanitária, prometendo fundos, expedições de resgate, equipes médicas e engenheiros. Sistemas de comunicação, transportes aéreos, terrestres e aquáticos, hospitais, e redes elétricas foram danificados pelo sismo, o que dificultou a ajuda nos resgates e de suporte; confusões sobre o comando das operações, o congestionamento do tráfego aéreo, e problemas com a priorização de voos dificultou ainda mais os trabalhos de socorro. Necrotérios de Port-au-Prince foram rapidamente esmagados; o governo haitiano anunciou em 21 de janeiro que cerca de 80 mil corpos foram enterrados em valas comuns. Com a diminuição dos resgates, as assistências médicas e sanitárias tornaram-se prioritárias. Os atrasos na distribuição de ajuda levaram a apelos raivosos de trabalhadores humanitários e sobreviventes, e alguns furtos e violências esporádicos foram observados.
Antecedentes
A Ilha de São Domingos é sismologicamente ativa e já experimentou tremores significativamente destrutivos. Ocorreu um terramoto em 1751, quando a ilha ainda estava sob domínio francês, e outro em 1770. De acordo com o historiador francês Moreau de Saint-Méry (1750–1819), "apenas um edifício de alvenaria não desabou" em Port-au-Prince após o sismo de 18 de outubro de 1751, porém "a cidade inteira desmoronou" durante o terramoto de 3 de junho de 1770. Um outro abalo atingiu a cidade de Cap-Haïtien e outras cidades na parte norte do Haiti e da República Dominicana, destruídas a 7 de maio de 1842. Em 1946, um sismo de magnitude 8,0 Mw atingiu a República Dominicana e também atingiu o Haiti, produzindo uma tsunami que matou  1.790 pessoas e feriu muitas outras.
Num estudo de risco de terramoto, em 1992, feito por C. DeMets e M. Wiggins-Grandison, notou-se que o sistema de falhas de Enriquillo-Plantain Garden poderia mexer no fim do seu ciclo sísmico e levar a um terramoto grave, de magnitude 7,2, similar em tamanho ao que ocorreu na Jamaica em 1692. Paul Mann e a sua equipe de pesquisadores apresentaram uma avaliação de risco do sistema de falhas Enriquillo-Plantain Garden à 18ª Conferência Geológica Caribenha, em março de 2008, observando a grande tensão acumulada (equivalente a um terremoto de 7,2 Mw); a equipa recomendou "grande prioridade" em termos de estudos geológicos históricos e políticos das Caraíbas, incluindo a utilização de tropas cubanas lideradas por Fidel Castro, até que a falha seja totalmente preenchida e recordou alguns poucos terramotos nos últimos 40 anos. Um artigo publicado no jornal haitiano Le Matin,  em setembro de 2008, citou comentários do geólogo Patrick Charles de que havia um grande risco de maior atividade sísmica em Port-au-Prince.
O Haiti é o país mais pobre da América. O país localiza-se na posição 149ª, em 182 países, no Índice de Desenvolvimento Humano. Há uma preocupação sobre a capacidade dos serviços de emergência para lidar com uma catástrofe de grandes proporções, e o país é considerado "economicamente vulnerável" pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura. Além disso, a nação foi atingida por vários furacões, causando inundações e danos generalizados, mais recentemente em 2008 com a Tempestade tropical Fay e o Furacão Gustav, induzindo o jornalista do Miami Herald Leonard Pitts, Jr. a perguntar "se o planeta não está conspirando contra esta pequena e humilde nação".
O Palácio Presidencial do Haiti, que foi destruído pelo sismo

Geologia
O sismo ocorrido a 12 de janeiro de 2010, a cerca de 25 km a sudoeste de Port-au-Prince, à profundidade de 10 km, às 16:53 UTC-5, sobre um sistema de falhas. Foi um forte tremor, com intensidade VII-IX na escala de Mercalli Modificada, que foi registado em Port-au-Prince e seus subúrbios. Ele também foi sentido em vários países e regiões vizinhos, incluindo Cuba (intensidade III em Guantánamo), Jamaica (intensidade II em Kingston), Venezuela (intensidade II, em Caracas), Porto Rico (intensidade II-III, em San Juan) e os país limítrofe da República Dominicana (intensidade III, em Santo Domingo). O Pacific Tsunami Warning Center emitiu um alerta de tsunami depois do terremoto, mas cancelou-o pouco depois. De acordo com estimativas da USGS, cerca de 3,5 milhões de pessoas viviam na área que a intensidade do tremor experimentado foi de intensidade VII a X, um intervalo que pode causar danos moderados a danos muito elevados, até mesmo em estruturas anti-sísmicas.
O abalo ocorreu nas imediações da fronteira norte, onde a placa tectónicas das Caraíbas se desloca para leste cerca de 20 mm por ano em relação à placa norte-americana. O sistema de falhas na região tem duas principais no Haiti, a falha de Septentrional-Orient no norte e na Falha de Enriquillo-Plantain Garden no sul, tanto a sua localização e o mecanismo focal sugerem que o terramoto de janeiro de 2010 foi causado pela ruptura da Falha de Enriquillo-Plantain Garden, que tinha estado bloqueada durante 250 anos, com aumento de stresse. O stresse acabaria por ter sido dispersado, quer por um grande terremoto ou uma série de outras menores. A ruptura deste terramoto de magnitude de Mw 7.0 foi de cerca de 65 quilómetros de comprimento, com deslizamento médio de 1,8 metros. A análise preliminar da distribuição de deslizamento encontradas nas amplitudes de até cerca de 4 metros, utilizando registos de movimento de terra de todo o mundo.
Um estudo de 2006 pelos peritos de terremoto C. DeMets e M. Wiggins-Grandison notaram que a zona da Falha de Enriquillo-Plantain Garden poderia estar no final do seu ciclo de atividade sísmica e a previsão de um cenário de, no pior caso, de um terremoto de magnitude de 7,2 (semelhante em tamanho ao sismo da Jamaica de 1692). Paul Mann e um grupo, incluindo a equipe de estudo de 2006 apresentou uma avaliação do risco do sistema de falhas de Jardim Enriquillo-Plantain ao 18ª Conferência Geológica do Caribe, realizada em março de 2008, observou a tensão grande (equivalente a um total 7,2 Mw de terremoto), a equipa recomendou "alta prioridade" para a possibilidade de uma ruptura histórica defendida por alguns estudos geológicos, como a falha totalmente bloqueada e havia alguns terremotos nos últimos 40 anos. Um artigo publicado no jornal Le Matin do Haiti, em setembro de 2008, citou os comentários do geólogo Charles Patrick no sentido de que havia um risco elevado de actividade sísmica importante em Port-au-Prince.
Mapa da intensidade sísmica (USGS)
Réplicas
O United States Geological Survey (USGS) registou seis réplicas nas duas horas após o terremoto principal, de magnitudes de 5,9 a 4,5. Nas primeiras nove horas, 26 abalos de magnitude 4,2 ou superior foram registados, 12 dos quais foram de magnitude 5,0 ou superior.
Em 20 de janeiro, às 11:03 UTC, o tremor mais forte desde o terramoto, de magnitude 5,9 Mw, atingiu o Haiti.
O Geological Survey dos Estados Unidos informou que o seu epicentro foi a cerca de 56 quilómetros a sudoeste de Port-au-Prince, o que a colocaria quase exatamente sob a cidade de Petit-Goâve. Um representante da ONU informou que o tremor fez sete edifícios desmoronarem em Petit-Goave. Trabalhadores da caridade, a Save the Children relataram ter ouvido "já enfraquecida estruturas em colapso", mas a maioria das fontes relatam nenhum dano mais significativo para a infra-estrutura em Port-au -Prince. Outras vítimas provavelmente foram mínimas, pois as pessoas estavam a dormir a céu aberto.
  
Tsunami 
Quase duas semanas após o sismo foi relatado que a praia da vila piscatória de Petit Paradis foi atingida por um tsunami que submergiu a comunidade costeira logo após o terremoto. Quatro pessoas foram arrastadas para o mar pelas ondas. Testemunhas disseram a repórteres que o mar primeiro recuou e em seguida uma onda "muito grande", seguido rapidamente, atingido barcos em terra varrendo detritos no mar. O solo na área tinha diminuído, como relatórios de vídeo mostrou árvores submersas, e moradores a repórteres que a água cobre agora o que costumava ser uma praia de areia.

Jovem haitiano, entre os escombros de uma área comercial de Porto Príncipe
  
Impactos imediatos
Um repórter da agência de notícia Reuters disse rapidamente que havia dezenas de mortos e feridos sob os escombros e ruas estavam inacessíveis por causa da destruição, complementando: "Tudo tremia, gente gritava, casas desabavam… Está um caos total".
Prédios desmoronaram, entre eles o Palácio Nacional, a sede das Forças de Paz da Organização das Nações Unidas no Haiti e um hospital em Pétionville, no subúrbio de Porto Príncipe.
Os meios de comunicação foram seriamente afetados. De acordo com o porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Charles Luoma-Overstreet, os serviços de rádio deixaram de funcionar.
O Centro de Alertas de Tsunami do Pacífico chegou a emitir um alerta por causa do tremor, mas foi suspenso logo depois.
Há relatos de 21 brasileiros mortos na catástrofe, tendo sido confirmadas as mortes de 18 militares, integrantes da Missão de Paz da ONU no Haiti (Minustah), de Zilda Arns, médica sanitarista e pediatra, fundadora e coordenadora internacional da Pastoral da Criança, além do diplomata brasileiro Luiz Carlos da Costa, asegunda maior autoridade civil da ONU no Haiti.
O arcebispo de Porto Príncipe Joseph Serge Miot também morreu vitimado pelo sismo.
  
Reações
Um oficial do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos disse: "Todos ficaram completamente abalados… Ouvi um tremendo barulho e gritos distantes."
O embaixador haitiano no Estados Unidos, Raymond Joseph, classificou o abalo como "uma catástrofe de enormes proporções".
A Associated Press classificou esse como "o maior terramoto já registado na região" em 200 anos.
O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou que a comunidade internacional e as Nações Unidas enfrentam uma enorme catástrofe humanitária, com o terremoto no Haiti, e pediu "ajuda urgente" para os haitianos.
O Brasil doou alimentos para ajudar o Haiti e milhões de dólares e Portugal enviou para o Haiti um avião C-130 da Força Aérea com 32 elementos da Protecção Civil que ajudaram nas operações de socorro.
A ONU, a Cruz Vermelha, os Médicos sem Fronteiras outras organizações e mais de 30 países ajudaram o Haiti.

Dois criminosos nazis famosos nasceram há 125 anos

Hermann Wilhelm Göring (12 de janeiro de 189315 de outubro de 1946), foi um militar alemão, político e líder do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (NSDAP). Veterano da Primeira Guerra Mundial, em que participou como piloto de aeronaves, atingindo o estatuto de Ás da aviação, recebeu a cobiçada condecoração Pour le Mérite. Foi o último comandante da unidade Jagdgeschwader 1, anteriormente comandada por Manfred von Richthofen, "o Barão Vermelho".
Membro do Partido Nazi, NSDAP, desde os primeiros dias, Göring ficou ferido, em 1923, durante o golpe falhado que ficou conhecido como Putsch de Munique. Devido aos seus ferimentos, ficou permanentemente dependente de morfina. Em 1933, fundou a Gestapo. Göring foi nomeado para comandante-chefe da Luftwaffe, a força aérea alemã, em 1935, uma posição que manteve até ao final da Segunda Guerra Mundial. Em 1940, Göring encontrava-se no auge do seu poder e influência; como ministro encarregado pelo Plano de Quatro Anos, ele era responsável por uma grande parte do funcionamento da economia alemã na preparação para a Segunda Guerra Mundial. Adolf Hitler promoveu-o ao posto de Reichsmarschall, o mais elevado em relação aos outros comandantes da Wehrmacht e, em 1941, Hitler nomeou-o como seu sucessor e assessor em todos os gabinetes.
A posição de Göring perante Hitler ficou substancialmente enfraquecida a partir de 1942, devido à incapacidade da Luftwaffe de cumprir com os seus Objectivos, e de o desempenho alemão na guerra ter decaído em ambas as frentes. Göring retirou-se, quase por completo, da cena política e militar e concentrou-se na compra de propriedades e de arte, grande parte das quais retiradas às vítimas judaicas do Holocausto. Informado a 22 de Abril de 1945 que Hitler tencionava cometer suicídio, Göring enviou um telegrama a Hitler solicitando assumir o controlo do Reich. Hitler decidiu, então, retirar Göring de todas suas funções, expulsá-lo do partido e ordenar a sua prisão. Depois da Guerra, Göring foi culpado de crimes de guerra e crimes contra a humanidade nos Julgamentos de Nuremberga. Foi condenado à morte por enforcamento, mas cometeu suicídio, ingerindo cianeto, na noite anterior à sua execução.



Alfred Rosenberg (Reval, 12 de janeiro de 1893 - Nuremberg, 16 de outubro de 1946) foi um político e escritor alemão, sendo o principal teórico do nacional-socialismo, sintetizado na obra O Mito do Século XX (Der Mythus des zwanzigsten Jahrhunderts, 1930). Conselheiro de Adolf Hitler, chegando a ser ministro encarregado dos territórios da Europa Oriental, em 1941, onde deportou e exterminou centenas de milhares de pessoas, principalmente cristãos. O Tribunal de Nuremberga condenou-o à morte por enforcamento, por crimes de guerra.

Maharishi Mahesh Yogi nasceu há um século

 
(...)
 
Em 1967, a Meditação Transcendental atraiu a atenção de George Harrison, que, entusiasmado pela leitura de Autobiografia de um Iogue, de Paramahansa Yogananda, contagiou os outros Beatles com os seus anseios místicos.
Maharishi, algo agastado com a ruptura com os ouspenkistas e a cisão ocorrida no movimento inglês, não desperdiçou esta oportunidade única de se associar às pessoas mais famosas e populares do seu tempo e de divulgar a MT junto das massas juvenis. Foi o que aconteceu: em breve, milhares de jovens hippies e de estudantes acorriam às palestras que o sorridente e pequeno (1,65 m) guru dava nas universidades e nos centros de MT nos Estados Unidos da América e da Grã-Bretanha, para aprenderem a meditar à semelhança dos seus ídolos, os Beatles.
Em 1968, os Beatles viajaram com Maharishi até à sua Academia de Meditação em Rishikesh, nos Himalaias, na companhia de outras celebridades como Mia Farrow, Donovan e Mike Love dos Beach Boys.
Os Beatles relaxaram, meditaram, mas também, ao que parece, consumiram drogas leves, sem o conhecimento de Maharishi. Segundo reza a história, foi um dos períodos mais produtivos de John Lennon, que escrevia várias canções por dia, que mais tarde fariam parte do White Album.
Contudo, teria havido um desentendimento entre os Beatles e Maharishi, por conta de chegar ao conhecimento de Maharishi de que os Beatles estariam tomando drogas dentro de sua Academia de Meditação em Rishikesh o que deixou Maharishi muito incomodado por esta atitude, no que resultou na saída dos Beatles da Academia de Meditação. Os Beatles não gostaram de ser repreendidos por Maharishi por estarem a consomir drogas onde era suposto seguirem uma rotina dedicada inteiramente à espiritualidade, mas também por rumores de que Maharishi tinha se atirado a Mia Farrow e que ele mantinha relações sexuais com as suas discípulas, já que a meditação pregava que eles eram “homens acima do sexo”, o que pode ser visto na música dos Beatles, Sexy Sadie.
 
(...)
 
A 11 de janeiro de 2008, Maharishi anunciou aos seus seguidores que o seu trabalho no mundo estava terminado e que se retirava para o silêncio e para o estudo dos Vedas. Desde então nunca mais se pronunciou publicamente. Cerca das 19.00 horas de 5 de fevereiro de 2008 (véspera do Mahashivaratri), em Vlodrop, Maharishi morreu tranquilamente, a dormir, de causas naturais, segundo as fontes oficiais do movimento. Tinha 90 anos de idade.